GOL está devendo a Delta, e quer adiar o prazo de pagamento

A GOL Linhas Aéreas está negociando com a Delta Air Lines o prazo do pagamento de um empréstimo, no valor de US$ 300 milhões.

De acordo com duas fontes do assunto, a Delta entrou como garantidora do empréstimo realizado em 2015 através de um banco, e a dívida deveria ser paga em agosto deste ano. Logo, a Delta deverá assumir a liderança das negociações, para evitar que a companhia norte-americana precise pagar pelo empréstimo.

Victor Mizusaki, analista do Banco Bradesco BBI, disse em um e-mail de 5 de junho a clientes ao qual a Bloomberg, a fonte desta matéria, teve acesso que ele espera que as discussões sejam concluídas em breve, o que deve aliviar a posição de caixa da Gol.

O empréstimo foi obtido com taxa de juros de 6,5% ao ano (a.a.), onde a GOL ofereceu ações da empresa no Smiles, o programa de milhagens da GOL, como garantia à Delta Air Lines, e a companhia norte-americana se colocou como garantidora do pagamento do empréstimo ao Morgan Stanley.

A GOL negou que planeja adiar o pagamento, e diz que segue a declaração do vice-presidente financeiro Richard Freeman Lark Jr, afirmando que a empresa deve pagar os US$ 300 milhões em agosto, e também as debêntures de cerca de R$ 150 milhões em setembro.

Nas demonstrações do balanço financeiro da empresa, a Delta disse que o empréstimo não havia sido registrado como um passivo no seu balanço de 31 de março, mas afirmou que “há um risco maior relacionado à capacidade da Gol de pagar o empréstimo, o que pode exigir o nosso desembolso da garantia”.

A Delta também afirmou que, com base no valor de mercado no final do primeiro trimestre, “aproximadamente 50% de nossa garantia está coberta por ações da Gol na Smiles”.

A GOL divulgou nesta terça-feira (09) que tem uma liquidez de R$ 3,5 bilhões atualmente, e planeja utilizar o seu caixa para permitir manter as suas operações e expandir os voos.

Caso a companhia brasileira necessite pagar o empréstimo com o seu “caixa”, ela precisará desembolsar cerca de R$ 1,5 bilhão, quando consideramos a atual cotação do dólar. 

 

Com informações de Bloomberg.

DEIXE UMA RESPOSTA