Os drones estão cada vez mais populares – e seu uso crescente acompanha as exigências por regulação e cuidado em diversos locais, especialmente nos aeroportos. Recentemente, Gatwick e Heathrow, os principais da Inglaterra, ficaram fechados em razão dos pequenos aviões não tripulados.

Como forma de superar esses desafios e fornecer mais segurança aos aeroportos, a Indra, empresa global de consultoria e tecnologia, é a pioneira na oferta de uma solução totalmente feita para a proteção de aeroportos contra os equipamentos que voam sem autorização.

Proteger um aeroporto é muito complexo, já que não é possível alterar o tráfego nem interferir nos equipamentos das aeronaves. A capacidade do sistema da Indra para modular a resposta é, portanto, fundamental. É possível integrar, além disso, com os sistemas da torre de controle para cruzar informação e detectar qualquer objeto que voe sem autorização de forma imediata.

Trata-se de um escudo inteligente, denominado ARMS (Anti RPAS Multisensor System), que detecta a presença destas aeronaves a quilômetros de distância e as neutraliza caso entrem no espaço a ser protegido.

Isso é feito com uma gama de sensores feitos especialmente para a detecção das aeronaves, incluindo radares, câmeras infravermelhas ou sensores de radio-frequência de diversas características e capacidades, que realizam as tarefas de detecção e identificação.
A solução é tão eficaz que pode ser utilizada de forma a deixar fora de circulação um só drone, em uma intervenção “cirúrgica”, ou todo um grupo completo de aeronaves, aplicando medidas mais agressivas.

O risco afeta, no entanto, muitas outras áreas e tipos de instalações. Fábricas, usinas nucleares, infraestrutura, edifícios oficiais, centros penitenciários, arenas esportivas ou qualquer lugar no qual se realize evento público podem enfrentar este mesmo problema.