Foto: Diário da Manhã

Graças a um investimento do Governo Federal, através do Ministério da Infraestrutura, o Aeroporto Lauro Kortz, em Passo Fundo (RS), já conta com uma nova pista de pousos e decolagens. Reconstruída, ela recebeu faixas de pista e áreas de segurança para atender as operações de aeronaves a jato, além de novo sistema de drenagem. Foi instalado ainda sistema de balizamento luminoso para auxiliar na navegação aérea e permitir a operação por instrumentos.

São investidos R$ 43.221.158,76, oriundos do Fundo Nacional de Aviação Civil (FNAC), nas obras do aeroporto de Passo Fundo – até junho, foram executados R$ 25.385.808,37. Com as intervenções, o município contará com o segundo maior terminal aeroportuário do estado, ficando atrás apenas do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre. Os investimentos se justificam por permitirem a conexão do norte gaúcho aos grandes centros urbanos do país. A região é destaque na produção agropecuária e na indústria de implementos agrícolas.

Há, ainda, uma contrapartida de R$ 7,5 milhões, segundo o governo do Rio Grande do Sul. As melhorias vão permitir que aviões de maior porte acessem o local e a ampliação de destinos para dentro e fora do estado. Com essa etapa finalizada, a equipe da Secretaria Nacional de Aviação Civil do Ministério da Infraestrutura (SAC/MInfra) estima que o aeroporto reabra ainda em agosto.

Os trabalhos começaram em novembro de 2020 e incluem, ainda, reforma e ampliação dos pavimentos aeroportuários (terraplanagem, pavimentação, sinalização e drenagem) e instalação do terminal de passageiros, que passará de 300m² a 2 mil m². Essas demais etapas seguem em andamento. O ritmo é acelerado. Tanto que a previsão inicial era de entrega das melhorias em novembro de 2022: cronograma que deve ser antecipado para fevereiro.

METODOLOGIA BIM 

Esse é um dos 16 aeródromos regionais do país cujas obras em andamento seguem a metodologia “Modelagem de Informação da Construção” (BIM, na sigla em inglês). Trata-se de uma tecnologia de “construção inteligente”, que contempla, de forma digitalizada, todas as etapas do planejamento, da execução e da manutenção de uma obra ou infraestrutura, prevendo todo o seu ciclo de vida útil.

Com a metodologia, os projetos são desenvolvidos com uma base de informação sólida e confiável, com a visualização adequada das soluções de engenharia para melhor interpretação e comunicação do projeto, além de maior acurácia do orçamento e planejamento de obra de forma mais realista. O BIM permite ainda a identificação e solução de conflitos antes da execução de obra, assim como melhoria da qualidade no atendimento aos requisitos normativos do setor aeroportuário.

Via Ministério da Infraestrutura

DEIXE UMA RESPOSTA