Irã

Com cerca de 50% de suas aeronaves sem poder voar estatal por falta de peças sobressalentes, o Irã afirma que poderá entrar com uma ação judicial contra a Airbus e a ATR para que as empresas cumpram os contratos assinados.

Segundo o chefe da aviação civil do Irã, Mohammad Mohammadi Bakhsh, os acordos firmados para novas aeronaves assinados entre a Iran Air e os fabricantes europeus foram fechados 2016, antes da imposição das sanções impostas por parte dos Estados Unidos, já que o país norte-americano se retirou do acordo nuclear com o país árabe em 2018.

“Estamos protestando contra essa decisão e seguiremos com o caso legal, já que sempre que a questão é levantada, eles (ATR e Airbus) atribuem isso  às sanções dos EUA”, disse Mohammadi Bakhsh.

Após a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear, muitos países encerraram ou evitaram realizar novas negociações para a venda de produtos industriais para o Irã, pois os norte-americanos ameaçam intervir e punir os países que pretendem realizar novas negociações, o que explica a recusa tanto da Airbus quanto da ATR para o fornecimento de novas peças.

Com isso, o Irã viu o seu acordo com pedidos massivos para novas aeronaves ir por água abaixo, já que a Iran Air havia fechado um acordo para 100 aeronaves da Airbus, 80 jatos da Boeing e 40 turboélices ATR, tendo em vista que apenas 11 aeronaves foram entregues, sendo: oito ATR 72-600, um A321 e dois A330.

Agora, com uma frota envelhecida e sem poder fechar negócio com novas aeronaves, a Iran Air está vendo a sua frota operacional diminuir com o passar dos meses por falta de novas peças.

Curiosamente, a atual frota da Iran Air tem uma idade média de 18 anos e conta com as aeronaves Airbus A300 (5 unidades), A319 (2 unidades), A320 (2 unidades), A321 (1 unidade), A330 (2 unidades), além de um Boeing 747-200 e três unidades do Fokker 100.

Contudo, caso a companhia não receba novas peças no futuro, a Iran Air afirma que as suas operações estarão com grandes riscos de incidentes, colocando a vida de funcionários e cidadãos do Irã em risco.

Com informações: Simple Flying

DEIXE UMA RESPOSTA