O governo israelense declarou essa semana que pretende colocar em operação  os F-35A em dezembro. Assim que os 50 aviões Lockheed Martin F-35A da Força Aérea Israelense estiverem ativos o país terá a liderança no requisito das forças aéreas do Oriente Médio, isso pelo fato do F-35 ser um caça de quinta geração.

O Estado de Israel tanto no passado quanto no presente tem inimigos, hoje o maior deles é o Irã, que por coincidência também não tem as melhores relações com o grande aliado de Israel, os EUA. Então assegurar uma boa soberania aérea na região é importante para o país.

Lockheed Martin F-35IS. Foto – Força Aérea de Israel

O país começou a receber os F-35 “Adir” (como são conhecidos no país) em dezembro de 2016. E com a operacionalidade dos F-35A, a Força Aérea do país que já era respeitada, ficará ainda mais.

 

Um pouco do passado e presente 

Voltando um pouco na história em conflitos passados, Israel já entrou em vários conflitos na região, o mais famoso deles, foi a “Guerra dos 6 dias”, no qual Israel combateu o Egito, Jordânia e a Síria, no conflito destaca-se a boa atuação do Dassault Mirage III da Força Aérea Israelense.

Israel tem um aliado bem forte, que já foi dito acima. Os EUA fornecem as melhores armas para o país, que no contexto caças além dos novos F-35A, tem F-16 e o clássico F-15, caças de superioridade aérea.

Dassault Mirage III Israel Air Force

As forças militares israelenses deram conta do recado, e no conflito que durou seis dias (por isso o nome) Israel levou vantagens frentes aos inimigos árabes. Porém hoje a graças aos acordos diplomáticos, as relações com Egito e Jordânia estão mais tranquilas.

Na atualidade a grande preocupação e medo é o reinicio do programa nuclear do Irã, o que de fato não agrada os israelenses e muito menos os EUA, que usam o país como ponto estratégico de defesa na região.