MiG-21 Romênia Typhoon Itália OTAN
EF-2000 Typhoon da Itália voa com um MiG-21 romeno. Foto: OTAN.

A Força Aérea Italiana (AMI) concluiu na sexta-feira (01) a implantação de seus caças Eurofighter Typhoon no Leste Europeu. As aeronaves de combate estavam na Romênia há sete meses como resposta à postura da Rússia contra a Ucrânia. 

Os F-2000 Typhoon italianos chegaram à base aérea romena de Mihail Kogălniceanu em dezembro de 2021, antes mesmo da invasão russa na Ucrânia em fevereiro. Lá, os aviões passaram a atuar na Missão de Policiamento Aéreo Aprimorado (eAP) da OTAN, patrulhando os céus do flanco oriental da Aliança Militar. 

A missão dos italianos, no entanto, não encerra agora. O Comando Aéreo Aliado diz que, ainda em suporte à eAP, os aviões serão desdobrados no norte da Polônia em agosto.

Eurofighter Typhoon OTAN Itália Alemanha
Caças Eurofighter Typhoon da Luftwaffe alemã e Aeronautica Militare Italiana. Foto: OTAN.
“A operação da Itália para fortalecer o Policiamento Aéreo no flanco leste da OTAN no espaço aéreo romeno começou em dezembro de 2021 com o estabelecimento da Força-Tarefa Aérea – Romênia (TFA-R) “Tempestade Negra” na Base Aérea Mihail Kogălniceanu em Constanta”, disse o Coronel Roberto Losengo, comandante da TFA-R. “Terminou hoje após sete meses de garantir os céus na região com nossos colegas romenos”, acrescentou.
 

Após atingir a capacidade operacional plena no início de dezembro, as operações da eAP South começaram com quatro caças Typhoon. O comando e controle dos caças italianos foi transferido para o Comando Aéreo Aliado da OTAN em Ramstein, Alemanha, atuando por meio de seu Centro de Operações Aéreas Combinadas do sul em Torrejón, Espanha.

Em resposta às ações da Rússia na Ucrânia, a OTAN decidiu – no final de fevereiro de 2022 – implementar medidas de garantia adicionais, promovendo uma postura persistente e reforçada de dissuasão e defesa nas fronteiras orientais da Aliança. 

Foto: OTAN.

De acordo com esta decisão, a Itália duplicou imediatamente os meios aéreos empregados pela TFA-R.

“Quando o destacamento entregou a missão eAP na Romênia para os Typhoons da Força Aérea Real em abril, a missão dos Eurofighters italianos mudou para a chamada Atividade de Vigilância aprimorada (eVA)”, disse o coronel Losengo. 

“Este conjunto de medidas foi concebido para enviar uma mensagem de coesão e solidariedade entre os Aliados, aumentando a prontidão e a dissuasão e para demonstrar o firme compromisso da OTAN com a defesa de todos os Aliados”, acrescentou. 

O TFA era composto por cerca de 160 militares, principalmente da Força Aérea Italiana. Os Eurofighters e tripulações que participaram das operações na Romênia vieram de todas as alas da Força Aérea Italiana que empregavam este caça.

Foto: OTAN.
“Nestes sete meses, nossa equipe e os Eurofighters italianos alcançaram cerca de 1.400 horas de voo, gerando mais de setecentas missões, mais da metade delas voadas como missões de Patrulha Aérea de Combate eVA, e cerca de 50 embaralhamentos de alerta”, resumiu o Coronel Losengo as conquistas em apoio da Aliança.
 

Paralelamente à missão principal, foi alcançado um alto grau de interoperabilidade com os meios aéreos da Aliança implantados na área. 

Além do serviço Quick Reaction Alert (QRA) executado em conjunto com os Eurofighters alemães em abril, a TFA italiana realizou exercícios de Recuperação de Pessoal e Interceptação de Aeronaves Lentas com as forças aéreas da Romênia e dos EUA.

Foto: OTAN.

A Força-Tarefa também realizou mais atividades conjuntas com a Marinha Francesa e Romena e, finalmente, voou missões de apoio aéreo aproximado para contingentes do exército belga, francês, romeno e americano.

“Nos últimos meses realizamos intensas operações de apoio à Aliança”, disse o Coronel Losengo. “Seria impossível atingir com segurança as metas da Força-Tarefa sem o profissionalismo e comprometimento da equipe. Parabenizo vocês pelo excelente desempenho”, acrescentou.

 “E também quero expressar meu sincero agradecimento pelo apoio que a Nação Anfitriã nos ofereceu; em particular a liderança e o pessoal da 57ª Base Aérea da Força Aérea Romena, onde o TFA-R está estacionado desde sua criação”, concluiu.

Os Typhoons italianos continuarão executando as operações eAP da OTAN na Polônia no início de agosto, quando uma nova TFA será estabelecido no norte.