Terrorista Al-Qaeda EUA Ataque Ayman Al-Zawahiri
Ayman Al-Zawahiri foi morto em Cabul.

O líder da organização terrorista Al-Qaeda, Ayman Al-Zawahiri, foi morto por um ataque de um drone dos EUA em Cabul, capital do Afeganistão, no último sábado (30). A morte de Ayman, fruto de uma operação da CIA, foi anunciada ontem pelo Presidente Joe Biden.

Em discurso na Casa Branca, Biden disse que Zawahiri “estava profundamente envolvido” nos planejamentos dos ataques de 11 de setembro”, sendo ele “um dos indivíduos mais responsáveis ​​pelos ataques que mataram 2.977 pessoas em solo americano.” 

Biden ainda afirmou que o terrorista morto foi, por décadas “o cérebro por trás dos ataques contra os americanos, incluindo o bombardeio do USS Cole em 2000, que matou 17 marinheiros americanos e feriu dezenas de outros.”

“Agora a justiça foi feita e esse líder terrorista não existe mais”, disse o presidente dos EUA. “Não importa quanto tempo leve, não importa onde você se esconda, se você for uma ameaça ao nosso povo, os Estados Unidos vão encontrá-lo e levá-lo para fora.”

Segundo um oficial do governo dos EUA, o ataque ocorreu por volta de 21:48 de sábado. Um drone, possivelmente um MQ-9 Reaper, disparou um par de mísseis AGM-114 Hellfire contra a sacada do prédio onde estava Zawahiri, no bairro de Shirpur, no centro de Cabul. 
 
Residência de Ayman Al-Zawahiri em Cabul, Afeganistão. Foto via NY Post.
A CIA afirma que apenas Zawahiri foi morto no ataque. Por outro lado, a mídia local diz que seu filho e genro estavam na casa no momento em que os mísseis atingiram o edifício. 
 
Zawahiri estava no comando a Al-Qaeda desde a morte de Osama Bin-Laden na Operação Lança de Netuno, em maio de 2011. Dessa forma, o terrorista estava na lista dos mais procurados pelos EUA. 
 
MQ-9 B Reaper EUA Romênia acidente
Drone MQ-9B Reaper. Foto: USAF.
Como observado pelo The Aviationist, fotos do local parecem não mostrar qualquer sinal de explosão, mas sim algumas janelas estouradas. Isso pode indicar que os mísseis usados para matar Zawahiri foram o R9X, uma versão do Hellfire desenvolvida pela CIA que carrega lâminas ao invés de uma ogiva explosiva.
 
A ideia do R9X é garantir que o alvo seja eliminado sem causar danos colaterais, como civis mortos ou feridos. A ogiva do míssil, usada para atacar carros de combate e posições inimigas, foi substituída por um conjunto de seis lâminas que se abrem quando o armamento está prestes a atingir o alvo.
 
Zawahiri e Bin Laden. Foto: CNN.
Este foi o mesmo míssil usado para assassinar o general iraniano Qassem Soleimani em janeiro de 2020. O míssil é citado pelo NY Post, apesar de não mencionar qualquer fonte que confirme o uso do armamento. 
 
Ainda no discurso, Biden “alertou”: “Para aqueles ao redor do mundo que continuaram a procurar prejudicar os Estados Unidos, ouçam-me agora: permaneceremos sempre vigilantes e agiremos e sempre faremos o que for necessário para garantir a segurança e a proteção de Americanos em casa e em todo o mundo.”