MQ-9 Reaper

Dois membros importantes o Estado Islâmico da Província de Khorasan (ISIS-K) foram mortos no ataque de um drone dos Estados Unidos na Província de Nangarhar, leste de Cabul, neste sábado (28). Outro membro da organização ficou ferido e não houveram vítimas civis, informou o Pentágono. 

A operação dos EUA é uma retaliação a dois ataques terroristas realizados pelo ISIS-K nos arredores do Aeroporto Internacional de Cabul na quinta-feira (26). Centenas de afegãos morreram, bem como 13 militares americanos da Marinha, Exército e Corpo de Fuzileiros Navais. “Continuaremos a ter a capacidade de nos defender e alavancar a capacidade além do horizonte para conduzir operações de contra-terrorismo conforme necessário”, disse o Major-General do Exército William D. “Hank” Taylor em uma coletiva de imprensa.

Apesar do sucesso da operação contra o Estado Islâmico, o secretário de imprensa do Pentágono, John F. Kirby, ressaltou que a situação de segurança no Afeganistão ainda é perigosa. “O fluxo de ameaças ainda está ativo, ainda dinâmico. Ainda estamos focados nisso e na proteção da força, e não estamos pensando por um minuto que o que aconteceu ontem nos deixe livres”, disse Kirby. “Achamos que isso terá algum impacto sobre a capacidade deles daqui para frente? Com ​​certeza. O quê e até que ponto teremos que continuar observando a inteligência daqui para frente.”

Civis afegãos embarcando em um C-17 Globemaster III da Força Aérea Americana no Aeroporto de Cabul. Foto: Master Sgt. Donald R. Allen/USAF.

Os militares dos EUA esperam estar fora do Afeganistão até o dia 31 de agosto. Até lá, as operações de evacuação de não-combatentes (NEO) continuam no Aeroporto Internacional Hamid Karzai para tirar o máximo de cidadãos americanos, requerentes de visto especial de imigrante afegão e outros afegãos vulneráveis ​​do país.

Ao mesmo tempo em que ocorre a evacuação, os militares dos EUA também realizam operações para retirar equipamentos militares e pessoas não envolvidas no NEO. Taylor disse que ambas as operações   podem acontecer simultaneamente e continuarão até que a última aeronave e um militar dos EUA deixe o país.

“Temos a capacidade de incluir evacuados em transporte aéreo militar para fora do Afeganistão até o final”, disse ele. “Este é um enorme empreendimento militar, diplomático, de segurança e humanitário para os Estados Unidos e nossos aliados.”

Militares dos EUA distribuem comida para refugiados do Afeganistão na Base Aérea de Al Udeid, Catar. Foto: Noah D. Coger/USAF.

O General afirmou que nas últimas 24 horas, 32 aeronaves militares dos EUA deixaram o Aeroporto Internacional Hamid Karzai com cerca de 4.000 pessoas. Outras 34 aeronaves da coalizão partiram do aeroporto com aproximadamente 2.800 pessoas. Até agora, disse ele, mais de 117.000 foram evacuados do Afeganistão, com aproximadamente 5.400 deles sendo cidadãos americanos.

“Este é um número incrível de pessoas que agora estão mais seguras graças ao heroísmo dos jovens que colocam suas vidas em risco todos os dias para evacuar americanos e afegãos vulneráveis ​​de Cabul”, disse Taylor.

DEIXE UMA RESPOSTA