F-5M FAB
F-5EM Tiger II do Esquadrão Pampa decolando. Foto: Gabriel Centeno.

Militares da Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira (FAB) que operam a aeronave F-5M realizam, de 5 a 16 de julho, na Base Aérea de Santa Cruz (Ala 12), o Exercício Técnico de Combate F-5M (EXTEC CBT F-5).

O treinamento tem foco nas missões de “Combate Além do Alcance Visual” (em inglês, Beyond Visual Range – BVR), e conta com a participação dos Esquadrões: Primeiro Grupo de Aviação de Caça (1° GAVCA – Senta a Púa); Primeiro Grupo de Defesa Aérea (1° GDA – Jaguar); Primeiro Esquadrão do Décimo Quarto Grupo de Aviação (1°/14° GAV – Pampa); e Primeiro Esquadrão do Quarto Grupo de Aviação (1°/4° GAV – Pacau); sediados respectivamente em Santa Cruz (RJ), Anápolis (GO), Canoas (RS) e Manaus (AM).

O Comandante da Guarnição de Aeronáutica de Santa Cruz (GUARNAE-SC), Coronel-Aviador Marcelo da Costa Antunes, esteve presente na abertura do evento e desejou a todos os envolvidos um excelente exercício, sempre pautado na segurança. No mesmo dia, foi ministrado o briefing geral, o apronto operacional do exercício e a prova de conhecimentos teóricos.

“O treinamento de Combate BVR é fundamental e, quanto mais aeronaves e mais complexo o cenário de treinamento, mais preparado o piloto vai estar quando houver a necessidade do emprego da aviação de Caça”, destacou o Capitão-Aviador Eduardo Felipe França Cavalcanti, Chefe da Seção de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAA) do 1° GAVCA.

 

O exercício e o elemento surpresa

O EXTEC CBT F-5M tem o objetivo de cumprir missões de manutenção e elevação operacional das equipagens dos Esquadrões Aéreos nas ações de Defesa Aérea, com foco nas missões de combate BVR em um cenário de guerra convencional, visando cumprir o PAOP (Projeto de Atividades Operacionais) 2021, utilizando a aeronave F-5M.

O combate com mísseis além do alcance visual exige dos pilotos uma preparação específica, em virtude dos aspectos relacionados à complexidade do ambiente operacional. 

Essa tecnologia proporciona aumento do elemento surpresa e maior segurança ao piloto, que consegue operar de uma distância maior, o que dificulta o contra-ataque.

Aeronaves de interceptação, ataque, reconhecimento, reabastecimento em voo e SAR (Busca e Salvamento) estiveram presentes nesta operação, além da participação ativa dos controladores de voo habilitados para conduzir este tipo de missão.

 

Aperfeiçoamento

Fundamental para o sucesso de qualquer missão é o preparo operacional das tripulações. Para isso, a doutrina e o treinamento são de responsabilidade do Comando de Preparo (COMPREP).

Sendo assim, para atingir alto nível técnico e doutrinário, os Esquadrões da Força Aérea realizam treinamentos regulares, a fim de agirem com a pronta resposta requerida na execução das ações.

Como Comando Operacional, o COMPREP é encarregado de fixar os padrões de eficiência, planejar o treinamento e avaliar o desempenho das unidades subordinadas, a partir das capacidades definidas pelo Comandante da Aeronáutica. Além disso, coordena a formulação da Doutrina Aeroespacial, em consonância com as experiências adquiridas e os sistemas de armas incorporados à FAB.

 

Via: FAB

DEIXE UMA RESPOSTA