O contrato de joint-venture entre a Embraer e a Boeing, carrega uma cláusula que permite a concorrência da NewCo com a própria divisão de jatos executivos da Embraer.

O documento relata que a NewCo pode criar novas aeronave civis com capacidade para até 50 passageiros, isso possibilitaria dois rumos para a NewCo, criar jatos executivos baseados no ERJ, um projeto da década de 90, e atuar no mercado de jatos executivos de pequeno e médio porte, como a Embraer faz atualmente com as linhas Phenom e Legacy, recordistas em desempenho de voo e vendas.

Neste caso a Embraer seria a parceira preferencial do projeto, ou seja, a NewCo não poderia fazer associação com outras empresas do setor, nem realizar o projeto com participação somente da Boeing.

Para a Folha de São Paulo a Embraer disse que: “vem mantendo o mercado consistentemente informado das tratativas e evoluções relativas à transação com a Boeing, cumprindo com todas as normas referentes à divulgação de informações”.

 

Via – Folha de São Paulo