Operadores Especiais fazem treinamento conjunto em formato inédito no Exercício Tápio

Militares de Operações Especiais da Força Aérea Brasileira (FAB) participaram, nesta última quarta-feira (26/08), na Ala 5 – Base Aérea de Campo Grande, de um treinamento conjunto com formato inédito no Exercício Operacional Tápio.

Com o objetivo de simular um cenário de guerra não convencional, o treinamento também envolveu operadores especiais do Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC) e do Batalhão de Operações Especiais dos Fuzileiros Navais (Tonelero), da Marinha do Brasil, além de um voo de pacote com 23 aeronaves simulando uma coalizão de tropas amigas.

O treinamento foi articulado pelo Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (PARA-SAR) e apresentou alto grau de complexidade por envolver diversas Ações de Força Aérea executadas por operadores especiais, entre elas, Infiltração por meio de salto livre operacional, Guiamento Aéreo Avançado, Ação Direta e Exfiltração de ambiente hostil por helicóptero.

O objetivo da Ação Direta perpassou a missão como um todo. Na simulação proposta, dois alvos deveriam ser abordados pelos militares de Operações Especiais em solo.

“Um dos principais desafios foi conseguir integrar todas as equipes espalhadas pelo terreno para que as ações fossem executadas de forma sequencial na janela de tempo previsto. Também foi um desafio a coordenação entre as tropas em solo e o grande volume de aeronaves no local”, explicou um dos operadores do PARA-SAR que participou da missão.

Já o terceiro alvo, um arsenal de carros de combate, foi atingido por um lançamento realizado pela aeronave A-29, a qual foi Guiada pelos operadores especiais em solo.

O A-29 foi uma das 23 aeronaves que participaram da Missão Aérea Composta (COMAO, do inglês Composite Air Operation) designada para apoiar a operação dos militares no terreno. O Mission Commander, Major Paulo Roberto Falcão, piloto responsável por coordenar o voo de pacote, ressaltou a complexidade da missão.


“Além do fluxo normal das Unidades Aéreas durante o pacote, havia fluxo específico no solo também, que tinha que ser controlado e dosado de forma que nós conseguíssemos cumprir a missão com segurança, tanto de voo, quanto no cenário fictício hostil”, ressalta.

O Adjunto da Divisão de Controle Operacional Terrestre do Comando de Preparo (COMPREP), Major de Infantaria Antonio Luiz Moura Junior, ressaltou a importância de realizar treinamentos coordenados entre militares de Operações Especiais em solo com apoio das aeronaves em voos de pacote.

“As missões de Operações Especiais demandam muito do Apoio Aéreo Aproximado e se não houver um real entendimento de que a Força Aérea pode potencializar o trabalho dos operadores, a missão pode não ser cumprida com êxito”, esclarece.

Segundo ele, o treinamento teve um saldo positivo. “A avaliação de todos os participantes é de que foi uma missão muito positiva. Foi um treinamento de alta complexidade, onde todos conseguiram fazer com que a ação no objetivo, que tinha uma janela pré-determinada, fosse bem sucedida”, destaca.

 

Exercício Operacional Tápio

Reforçando a capacidade de atuação da Força Aérea Brasileira, a realização do Exercício Operacional Tápio é fundamental para garantir a continuidade da capacitação operacional dos militares da Instituição e a pronta-resposta para emprego em diversas missões que são executadas pela Força.

A manutenção da qualificação e capacitação operacional garantem que os militares estejam preparados para atuar em missões como as de combate aos focos de incêndio no Pantanal, a Operação Verde Brasil 2 e a Operação COVID-19 (de apoio ao enfrentamento à pandemia do novo coronavírus), que estão em curso no momento, além da atuação em casos de resgate de enfermos em navios, transporte logístico, entre outras.

Esta edição do Exercício Operacional Tápio (EXOP Tápio) tem como diferencial as medidas adotadas para combate e prevenção à COVID-19.

O treinamento conta com a execução de um Plano de Biossegurança, instalação de uma Unidade Celular de Saúde (UCS), aeronaves adaptadas para Evacuação Aeromédica, locais designados para eventual isolamento social e um Esquadrão de Saúde equipado para receber pacientes com agravamento do quadro clínico. Todas essas ações fazem parte do planejamento de saúde elaborado para o Exercício.

 

Fotos: Soldado Avalhaes / Ala 5

Vídeo: Sargento Santiago / CECOMSAER

Via – FAB

DEIXE UMA RESPOSTA