O orçamento da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) aumentará para US$ 165 bilhões no ano fiscal 2020, sob o novo plano de gastos da Casa Branca anunciado no dia 12 de março, um aumento de US$ 10 bilhões em comparação a este ano, que permite que o serviço cresça, se modernize e se adapte efetivamente a uma série de ameaças globais.

Conforme está escrito, o orçamento proposto atribui números a objetivos estratégicos maiores, que incluem a necessidade de enfrentar os desafios impostos pela China e pela Rússia, fornecer uma dissuasão nuclear segura, segura e eficaz, enquanto continua a perturbar os extremistas violentos de maneira econômica.

O plano de gastos fornece financiamento para a Força Aérea continuar a restaurar a prontidão de serviço, com atenção especial para treinamento, manutenção, peças sobressalentes e horas de voo.

Futuro bombardeiro estratégico dos EUA, o B-21.

O orçamento proposto para o ano fiscal de 2020 fornece dinheiro para modernizar as operações de mísseis balísticos nucleares, bombardeiros estratégicos, mísseis de cruzeiro nucleares lançados no ar, mísseis balísticos intercontinentais, bem como sistemas associados de comando, controle e comunicações nucleares.

Uma das adições mais significativas ao orçamento deste próximo ano é um investimento de US$ 14 bilhões no portfólio espacial da Força Aérea, um aumento de 17% em relação ao ano anterior. Esse investimento inclui US$ 72,4 milhões para estabelecer a sede da Força Espacial, que será um novo serviço dentro do Departamento da Força Aérea.

O orçamento permite que a Força Aérea continue seu domínio no espaço e também forneça recursos para treinar 1480 novos pilotos, são 1211 mais pilotos do que os treinados em 2019.

Como um todo, o orçamento proposto para o ano fiscal 2020, que começa em 1º de outubro de 2019, continua os esforços da Força Aérea para adicionar equipamentos e pessoal, treinamento e apoio para compensar uma era de orçamentos enxutos. Como disse a secretária da Força Aérea, Heather Wilson, o novo orçamento é elaborado para alinhar a Força Aérea mais próxima da Estratégia Nacional de Defesa.

Foto – USAF/Reprodução

Para chegar lá, o orçamento pede a compra de 48 caças F-35A Lightning II e oito F-15EX Srike Eagle. Fornece financiamento para adquirir 12 petroleiros Pegasus KC-46A, bem como fundos para satélites GPS de terceira geração e dinheiro para financiar quatro lançamentos de veículos espaciais para segurança nacional.

Além disso, a proposta orçamentária inclui fundos para treinamento e modernização de redes e infraestruturas ao vivo e virtuais que fornecem recursos de treinamento realistas – e cruciais – contra as ameaças mais avançadas. A Linha de Testes e Treinamento de Nevada, o Complexo Conjunto do Pacífico do Alasca, a Linha de Testes e Treinamento de Utah, a Faixa de Teste e Treinamento Espacial e vários complexos de menor alcance receberão financiamento direcionado para replicar melhor as capacidades dos adversários.

Em relação a esse foco, o orçamento do ano fiscal de 2020 inclui recursos para financiar 1,1 milhão de horas de voo em tempo de paz, a quantidade máxima de treinamento sustentável, para preparar pilotos e membros da Força Aérea para serem membros efetivos de forças conjuntas.

Embora a proposta orçamentária da Força Aérea seja cuidadosamente elaborada e represente as prioridades do serviço, o documento representa um ponto de partida inicial e incerto de um processo que dura meses. O Congresso retém as autoridades finais sobre como os impostos são gastos com a deliberação que deve se estender até o ano fiscal atual terminar em 30 de setembro e possivelmente além.