Antonov An-124

Faz alguns anos que a Rússia diz estar estudando um substituto para o An-124. Porém, de acordo com as últimas declarações, parece que por agora os testes para lançar uma nova aeronave estão finalmente avançando.

Um conceito final, chamado de “Slon”, que curiosamente em língua russa significa “Elefante”, foi apresentado em 2019. Com base nisto, o Instituto Central de Aerohidrodinâmica da Rússia começou em 2020 os ensaios aerodinâmicos.

Como podemos ver na imagem acima, o conceito do novo “Elefante” continua apostando em uma asa alta, configuração de quatro motores e trem de pouso próximo ao solo, que facilita o embarque de cargas. Podemos ver uma maior suavização de linhas nesse novo conceito, buscando maior eficiência aerodinâmica ao reduzir o arrasto.

Desde julho de 2020 os projetistas do avião testaram vários conceitos diferentes com base no projeto do novo An-124. A maior parte desses testes foi analisando o comportamento de um modelo em escala com baixa velocidade.

Modelo em escala utilizado nos primeiros testes, ainda sem a empenagem traseira. Foto: Instituto Aerohidrodinâmico Central

“Pudemos estudar o comportamento do modelo da aeronave em diferentes ângulos de manobras, determinar a eficácia dos profundores e do leme, e também avaliar a influência dos elementos de montagem na estabilidade lateral da aeronave em baixas velocidades de voo. Os resultados obtidos confirmaram as características de design declaradas”, disse Alexander Krutov, Pesquisador Júnior, TsAGI.

Os trabalhos de testes em túnel de vento foram concluídos em 2020, e neste ano o Instituto realizará apenas melhorias na parte aerodinâmica, para refinar o projeto. O túnel de vento continua ativo, visto que outros testes de componentes serão realizados nos próximos meses.

A nova aeronave poderá transportar 150 toneladas com autonomia total de 7000 km, suficiente para fazer um voo da Europa para os Estados Unidos sem escalas, e para isso o avião só precisa de uma pista com 3000 metros de comprimento, comum na maioria dos aeroportos de grande porte. A capacidade máxima de carga é de 180 toneladas.

Ainda não está confirmado se o motor de nova geração, o PD-35, que também está sendo desenvolvido pela Rússia, pode ser utilizado em um novo An-124. Com a nova motorização, já citada anteriormente pela estatal UAC para este tipo de avião, o cargueiro pode ganhar vantagem pela economia de combustível, em relação ao atual An-124.

 

DEIXE UMA RESPOSTA