Su-35 Flanker-E Rússia
Su-35 Flanker-E. Foto: Ministério da Defesa Russo.

Um piloto de Su-35 será julgado por ter abatido um caça Su-30 por acidente durante um treinamento. O caso do Major Vasily Savelyev foi transferido para o Tribunal Militar da Guarnição de Tver no mês passado.

O incidente ocorreu no dia 22/09/2020 na Base Aérea de Borisovsky Khotilovo, no Oblast de Tver, cerca de 300km ao noroeste de Moscou. Dois Su-35S Flanker-E e um Su-30M2 Flanker-G decolaram para um treinamento de combate aéreo aproximado (dogfight). Os dois Su-35 seriam atacados pelo Su-30 de forma simulada, realizando um contra-ataque posteriormente. 

Para registrar o treinamento, os pilotos usaram câmeras montadas no HUD dos caças. As câmeras são ativadas pelo mesmo gatilho que dispara o canhão interno.

Contudo, no contra-ataque, o Su-35 pilotado pelo Major Vasily disparou uma rajada do canhão GSh-30-1, calibre 30mm. Cinco munições atingiram a asa direita do Su-30. Os tripulantes perderam o controle da aeronave e ejetaram.

No vídeo abaixo, um Su-27 dispara o canhão GSh-30-1 contra o solo. 

Uma investigação foi aberta após o ocorrido. A Diretoria Principal de Investigação Militar do Comitê de Investigação da Federação Russa considerou o piloto do Su-35 como culpado.

Segundo o portal russo Kommersant, Vasily é acusado de violar as regras de operação e uso em combate de aeronaves militares, baseado no Artigo 351 do Código Criminal Russo. Ele pode acabar pegando sete anos de prisão pelo acidente. 

Os protocolos ditam que as aeronaves precisam ser preparadas antes do exercício, desengajando o canhão e engajando a câmera interna. O sistema de controle de armamentos deve ser completamente desativado. Além disso, o piloto deve fazer uma checagem adicional, pressionando o gatilho enquanto aponta a aeronave para uma direção segura.

De acordo com o Comitê, o Major Vasily não realizou a última verificação, o que foi declarado uma violação das regras de operação. No entanto, o piloto recorreu da decisão judicial, afirmando que militares em solo deveriam desengajar o sistema de armas, bem como remover fisicamente a fita com as munições do canhão automático.

Su-30m2 flanker-g rússia
Um Sukhoi Su-30M2 Flanker-G similar ao abatido pelo Su-35 em 2020. Foto via Armed Conflicts.

Vasily também disse que o exercício pretendia ser o mais próximo possível do envolvimento real, o que excluía a realização de quaisquer verificações adicionais. Após o apelo do aviador, o caso foi transferido para o Tribunal Militar de Tver. De acordo com o Kommersant, o dia do julgamento ainda não foi marcado.

DEIXE UMA RESPOSTA