Aviação de Caça Segunda Guerra
Pilotos do 1º Grupo de Aviação de Caça. o Esquadrão Jambock, retornando da Itália após o final da Segunda Guerra Mundial. Foto: Força Aérea Brasileira.

Todos os anos, no dia 22 abril, a Força Aérea Brasileira celebra o Dia da Aviação de Caça. A data é lembrada com carinho por militares, pesquisadores e, até mesmo, entusiastas da aviação (como você, caro leitor). Porém, muitos desconhecem a razão da data.

Por que 22 de abril? 

Vamos voltar para 1945!

Mesmo enfraquecidas, as tropas nazi-fascistas da Alemanha e da Itália seguiam resistindo. O avanço dos Aliados era imparável, o fim da guerra se aproximava e em 19 de abril as linhas do front alemão foram quebradas ao norte da Itália. Agora a região precisava ser devidamente tomada com o estabelecimento de cabeças de ponte para evitar uma recuada organizada das tropas inimigas.

Membros do 1º GAvCa com um dos P-47D da unidade. Foto: FAB.

Entre 21 e 24 de abril de 1945, as Forças Aéreas presentes na região realizaram um enorme esforço conjunto em missões de interdição e ataque contra as forças alemãs na região do Rio Pó. Os brasileiros do 1º Grupo de Aviação de Caça, o Esquadrão Jambock, popularmente conhecido pelo seu grito de guerra “Senta a Púa!”, participaram das missões. 

Criado em 18 dezembro de 1943, o 1º GAvCa nasceu no meio do calor do combate, assim como a própria Força Aérea Brasileira, fundada anos antes em janeiro de 1941. Seus integrantes eram todos voluntários e o grupo já estava em combate na Itália desde 31 de outubro de 1944. 

Empregando o caça-bombardeiro Republic P-47D Thunderbolt, a unidade destacava-se no teatro por conta da bravura, precisão e quantidade de missões de ataque realizadas. Mesmo com a perda de diversos pilotos – fugitivos, refugiados, capturados e outros mortos em combate – o Senta a Púa manteve a moral alta e cumpriu com sucesso as missões que lhes eram atribuídas. 

Todo esse esforço atingiu o seu auge em 22 de abril de 1944. Apoiando a grande ofensiva aliada para deter os alemães que estavam fugindo, o grupo deu o seu máximo com apenas 22 pilotos e 23 aviões disponíveis.

Caças P-47D Thunderbolt da Esquadrilha Azul do 1º Grupo de Aviação de Caça. Foto: FAB.

Os voos começaram às 08h30 da manhã de um 22 de abril frio e com nuvens em plena primavera italiana, terminando às 17h20 com o pouso da última esquadrilha. De acordo com dados do site Jambock, do historiador Vicente Vazquez, ao final do dia, o 1º Grupo de Caça destruiu ou imobilizou 35 veículos de tração animal, 97 veículos de autopropulsados (17 danificados), um parque de viaturas, 14 edifícios, uma ponte de barca e uma ponte rodoviária, tendo atacado, ainda, outras quatro posições inimigas. 

O esforço foi hercúleo. Ao todo foram 44 surtidas, com todos os pilotos tendo voado duas vezes, junto de um trabalho intenso dos mecânicos do grupo na base de Pisa. Um dos aviadores, o 2º Tenente Marcos Eduardo Coelho de Magalhães, foi abatido e capturado, sendo resgatado no final da guerra. 

“Um souvenir da FAB.” O 2º Tenente Eduardo Coelho posa com uma bomba de 500 libras montada na asa de um dos P-47D do Grupo. Foto: FAB.

 

Blue Ribbon

O 22 de Abril do Jambock foi único. Com poucos pilotos, poucos aviões e quase nenhum recompletamento, a missão foi realizada com sucesso, e o esforço do grupo foi reconhecido.

O então comandante do 350th Fighter Group – unidade a qual o Grupo era subordinado -, Coronel Ariel W. Nielsen, recomendou que o 1º GAvCa recebesse a Presidential Unit Citation (PUC), uma honraria concedida à unidades americanas que demonstram bravura, coragem, determinação e espírito de corpo ao enfrentar o inimigo em combate.

General-Brigadeiro Ariel W. Nielsen. Foto: USAF.

A PUC também é habitualmente chamada de “Blue Ribbon” por conta da barreta de medalha usadas nas fardas. O distintivo da PUC consiste em uma faixa azul envolta por uma moldura dourada. 

Segundo o site Jambock, a recomendação foi enviada em 17 de maio de 1945. Porém, a condecoração só foi entregue em 22 de abril de 1986. Em uma cerimônia realizada na Base Aérea de Santa Cruz (atual Ala 12), sede do esquadrão, a Blue Ribbon foi finalmente entregue à unidade.

O evento foi presidido pelo então presidente José Sarney, contando com a presença de vários veteranos do Jambock. A PUC foi entregue pelo Secretário da Força Aérea dos EUA e pelo Embaixador americano. 

Durante um certo tempo os F-5E Tiger II do 1º Grupo de Aviação de Caça carregavam uma pequena pintura na cauda, celebrando a condecoração. Hoje, os F-5EM, modernizados, os caças ostentam a pintura no topo da cauda.

A Aviação de Caça da FAB carregará para sempre os feitos de todos os caçadores do passado. Todos voluntários, deram o seu melhor na missão de proteger o mundo inteiro do julgo nazi-fascista que assolou a Europa na Segunda Guerra Mundial.

Dados do site WW2 In Color apontam que, ao final dos combates, o Senta a Púa destruiu. 

  • 470 veículos de transporte
  • 63 vagões ferroviários
  • 79 veículos de tração animal 
  • 129 prédios inimigos 
  • 43 posições de artilharia 
  • 6 depósitos de combustível 
  • 1 refinaria 
  • 7 blindados 
  • 4 pontes 
  • Vários outros veículos e infraestruturas inimigas.

Tendo usado:

  • 4180 bombas de 500 libras
  • 166 bombas incendiárias 
  • 88 bombas de fragmentação
  • 1.180.200 munições calibre .50 BMG 
  • 850 foguetes

“Sentar a Púa: lançar-se contra o inimigo com decisão, golpe de vista e vontade de aniquilá-lo. Quem vai sentar a púa não tergiversa. Arremete de ferro em brasa e verruma o bruto.”

Austragésilo de Athayde