Nesta semana a Alemanha, França e Espanha devem apresentar um novo projeto conjunto de caça de 6ª geração, de acordo com informações lançadas pelo Ministério de Defesa da Alemanha.

O novo projeto será uma colaboração conjunta entre os países, que iniciou com lanços entre a Alemanha e a França. A Espanha, que tem uma forte unidade de defesa da Airbus sediada no país, também entrou no projeto recentemente, chamado até então de Future Combat Air System (FCAS).

Um entrave, no entanto, está sendo resolvido entre os países no momento, antes de apresentar o maior projeto de defesa conjunto da Europa. Ambos estão resolvendo desentendimentos sobre direitos de propriedade intelectual sobre o jato.

“Nenhum acordo sobre o uso dos direitos de propriedade intelectual foi encontrado ainda”, disse uma porta-voz do ministério. “Para a Alemanha, o acesso irrestrito aos resultados das pesquisas financiadas conjuntamente é de extrema importância.”

Pelo peso da Alemanha no projeto, é possível que todos os três países tenham amplo acesso sobre as tecnologias desenvolvidas conjuntamente, proporcionando um avanço mútuo da indústria bélica.

Projeção do futuro NGF/FCAS.

Mesmo assim, o desenvolvimento do caça precisa ser aprovado pelo governo dos três países, para então o montante necessário ser liberado.

O desenvolvimento da aeronave terá a participação da Dassault Aviation, Airbus e Indra. O investimento para substituir o Rafale e os caças Eurofighter pode ultrapassar os 100 bilhões de euros, incluindo o custo da fabricação dos aviões para os três países.

A MTU Aero, a Safran e a ITP Aero estão listadas como as possíveis desenvolvedoras do motor desse novo caça.

As entregas estão programadas para começar a partir de 2040, tempo suficiente para o salto da 5ª para a 6ª geração.