Ucrânia Rússia Força Aérea abatido
Restos de um avião russo derrubado na Ucrânia.

Os recentes desenvolvimentos nas negociações entre Rússia e Ucrânia podem indicar a aproximação de um cessar fogo.

Após mais uma rodada de conversas entre as delegações em Istanbul nesta terça-feira (29), a Ucrânia propôs a adoção da neutralidade, enquanto o Ministério da Defesa russo disse que vai diminuir radicalmente os ataques em Kiev e Chernihiv, no norte do país invadido. 

“No sentido de fortalecer a confiança mútua e criar condições necessárias para negociações futuras e alcançar o objetivo final de assinar um acordo, tomamos a decisão de reduzir radicalmente e por uma ampla margem as atividades militares nas direções de Kiev e Chernihiv”, declarou o vice-ministro da Defesa russo, Alexander Fomin.

Em paralelo, autoridades russas ainda reforçam que esse movimento não é um cessar-fogo, mas indica que a Rússia está mais aberta às opções para encerrar o conflito, que já ultrapassa os 30 dias. 

Vladimir Medinksi, líder da delegação russa na Turquia, disse que as conversas desta manhã foram “significativas”. Medinksi também disse que o presidente ucraniano Volodimir Zelensky poderia se encontrar com sua contraparte russa, Vladimir Putin. 

Ucrânia Volodymyr Zelensky
Presidente ucraniano Volodymyr Zelensky.

“Depois de discussões significativas hoje, concordamos e propusemos uma solução, segundo a qual a reunião dos chefes de Estado é possível simultaneamente com a assinatura do tratado pelos chanceleres”, afirmou Medinksi.

“Desde que o acordo seja elaborado rapidamente e o compromisso necessário seja encontrado, a possibilidade de fazer a paz estará muito mais próxima”, concluiu. 

Por outro lado, os negociadores ucranianos exigiram garantias de segurança à Rússia.

“As conversas focam em questões importantes. Uma delas são as garantias internacionais de segurança para a Ucrânia e a segunda é o cessar-fogo para que possamos resolver problemas humanitários que se acumularam no país”, afirmou Mykhailo Podolyak, conselheiro político do governo ucraniano. “Com esse acordo seremos capazes de dar um fim à guerra”.

Segundo fontes do Financial Times, a Rússia também deixou de exigir a “desnazificação e desmilitarização” da Ucrânia como parte das negociações de cessar-fogo. O Kremlin também estaria disposto a permitir que Kiev se junte à União Europeia, desde que não se alie à OTAN. A não-adesão à aliança militar liderada pelos EUA é o status de neutralidade proposto pelo governo ucraniano.