Os T-6C Texan II sobrevoam o Comando de Combate Aéreo Nº1, com os T-37B acompanhando no seu último voo operacional com a Força Aérea Colombiana. Foto: FAC/Divulgação.

No último sábado (10) a Força Aérea Colombiana (FAC) realizou a cerimônia de incorporação dos novos turboélice de treinamento Beechcraft T-6C Texan II no Comando de Combate Aéreo Nº 1. No mesmo evento, que teve a presença do Ministro da Defesa, Diego Molano Aponte, e do Comandante da FAC, General Ramsés Rueda Rueda, foi realizada a aposentadoria dos 13 jatos Cessna T-37B Tweet.

“Com a entrega dessas aeronaves vamos treinar uma nova geração de pilotos de combate e assim fortalecer as capacidades de nossa Força Aérea, em primeiro lugar, para exercer mais soberania, em segundo lugar, para que a tecnologia e a inovação passem a fazer parte daquela nova geração que nos permite não só fazer parte desta Força Aérea na Colômbia, mas também fazer parte de uma força-tarefa multinacional como a desenvolvida na OTAN”, disse o Ministro Molano Aponte. 

Segundo a Revista Força Aérea, a FAC adquiriu 12 T-6C Texan II que serão entregues em dois lotes de seis aeronaves cada. As duas aeronaves incorporadas à frota no sábado chegaram ao país ainda em maio e ostentam as matrículas FAC2350 e 2351. Os turboélices fabricados pela Raytheon estão substituindo os T-37B/C, que por 53 anos de serviço com a Força Aérea Colombiana treinaram cerca de 1500 pilotos militares.

O T-6 é usado nos EUA pela Força Aérea, Marinha e Corpo de Fuzileiros e forma pilotos na Argentina, Israel, Canadá, México, Grécia, Iraque, Marrocos e Nova Zelândia. 

Batismo dos T-6C Texan II. Foto: FAC/Divulgação.

“O país precisa de uma Força Aérea moderna para sua defesa, precisa de pilotos bem treinados, treinados e qualificados para ter em mãos o melhor instrumento de defesa da soberania nacional. Hoje damos a esses jovens pilotos colombianos as melhores aeronaves para treinar quem serão os pilotos que integrarão e desenvolverão a Força Aérea do futuro”, disse o General Ramsés. 

Este é o início da transformação não só da Força Aérea, mas da substituição de aeronaves que garantam uma Força com capacidades reais, visíveis, credíveis, permanentes e sustentáveis ​​para defender a soberania, garantir a segurança dos colombianos e proteger seus direitos e liberdades, disse a FAC em comunicado. 

Foto: FAC/Divulgação.

A FAC também possui cerca de 24 aeronaves Embraer A-29B Super Tucano, um dos principais concorrentes do T-6 Texan II no mercado internacional. O turboélice de ataque leve brasileiro é extensivamente empregado contra as narco-guerrilhas da Colômbia. O país também opera 14 unidades do AT-27 Tucano, predecessor do A-29.

Chegada dos novos Cessnas 

Na terça-feira (13) a FAC incorporou quatro novos Cessna C-172S Skyhawk em cerimônia realizada na Escola de Aviação Militar “Marco Fidel Suárez”. Os novos aviões de treinamento farão parte do Esquadrão de Treinamento 111, onde substituirão os antigos Cessna T-41D Mescalero. 

Foto: FAC/Divulgação.

“Hoje marcamos um novo marco em nossa história ao entregar à Escola de Aviação Militar aeronaves novas, seguras, confiáveis ​​e modernas para que seus instrutores forneçam aos nossos jovens cadetes a melhor instrução de voo primária, dando lugar hoje a novas tecnologias que satisfaçam nossos necessidades. requisitos operacionais em conformidade com os mais elevados padrões”, disse o Comandante da FAC. 

Foto: FAC/Divulgação.

Há mais de 50 anos a Força Aérea Colombiana emprega o T-41 como aeronave de treinamento básico. Segundo a FAC, mais de 2000 pilotos aprenderam a voar com o Cessna, incluindo oficias da Marinha Colombiana e cadetes de Honduras, Panamá, El Salvador, Guatemala e República Dominicana. 

DEIXE UMA RESPOSTA