Aeronaves A-29B Super Tucano, F-5FM Tiger II, H-60L Black Hawk, H-36 Caracal, KC-390 Millennium, E-99M, SC-105 Amazonas-SAR e P-3AM Orion no pátio da Academia da Força Aérea durante o Simpósio das Aviações 2021. Foto: FAB/Divulgação.

Apresentando informações aos cadetes do 4º ano da Academia da Força Aérea (AFA), unidades das aviações de caça, transporte e IVR (inteligência, Vigilância e Reconhecimento) participaram do Simpósio das Aviações 2021, evento realizado na última quarta-feira (28) e promovido pelo COMPREP (Comando de Preparo). 

De acordo com a FAB, o simpósio contou com a presença do Brigadeiro do Ar Sergio Barros de Oliveira, Chefe da Subchefia de Avaliação e Doutrina do COMPREP, Brigadeiro do Ar André da Silva Ferreira, Chefe da Subchefia de Planejamento, Orçamento e Gestão Institucionais do COMPREP, demais membros do Comando de Preparo além de comandantes de esquadrões e chefes de outras organizações que participam do evento. 

No período matutino, os cadetes assistiram às apresentações dos Esquadrões Aéreos, que atuam na Caça, Transporte, Asas Rotativas e IVR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento), além do Instituto de Aplicações Operacionais (IAOp).

Palestras no Simpósio das Aviações. Foto: FAB/Divulgação.

Já no período da tarde, nove aeronaves ficaram em exposição no pátio da AFA. Além dos aviões da FAB, a Saab disponibilizou o novo vetor de caça, F-39 Gripen, para visitação. Os cadetes puderam observar as aeronaves, bem como manter contato com os pilotos e as tripulações.

Participaram do Simpósio o Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT), o Esquadrão Zeus, com o KC-390 Millennium; o Esquadrão Pantera (5º/8° GAV), com o H-60L Black Hawk; os Esquadrões Jambock e Pif-Paf (1/º1º e 2º/1º GAvCa), com o F-5FM Tiger II; o Esquadrão Flecha (3°/3° GAV), com A-29B Super Tucano; o Esquadrão Pelicano (2°/10° GAV), com SC-105 Amazonas SAR; o Esquadrão Puma (3°/8° GAV), com o H-36 Caracal; o Esquadrão Guardião (2°/6° GAV), com o E-99M; o Esquadrão Orugan (1°/7° GAV), com o P-3AM Orion; e o Esquadrão Hórus (1°/12° GAV), que abordou sobre as Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP).

O Chefe da Subchefia de Avaliação e Doutrina do COMPREP, Brigadeiro Sergio, falou da motivação do encontro. “É um evento extremamente importante, primeiro por dar uma oportunidade para que os futuros oficiais e pilotos de combate da Força Aérea tenham um conhecimento mais amplo do tipo de equipamento que estará sob a responsabilidade deles em um futuro a curto prazo e, também, para que sintam que esta responsabilidade vai demandar muitos atributos, tanto na parte de conhecimento, quanto na parte de habilidades.”

Escolha da Aviação

Somente no final do curso, os cadetes definem em qual das aviações desejam atuar, de acordo com sua classificação e habilidades. Após esta etapa de formação, seguem para a Ala 10, sediada na Base Aérea de Natal, localizada em Parnamirim (RN), para o Curso do Programa de Especialização Operacional (PESOP).

Os recém-formados aspirantes que escolherem a aviação de transporte e IVR serão formados pelo Esquadrão Rumba (1º/5º GAv) nos C-95M Bandeirante; os que forem para a Aviação de Caça irão para o Esquadrão Joker (2º/5º GAv), onde voarão o A-29B Super Tucano, e os que optarem pelas Asas Rotativas vão para o Esquadrão Gavião (1º/11º GAv), recebendo instrução a bordo do H-50 Esquilo. 

Para o Comandante da AFA, Brigadeiro do Ar Marcelo Gobett Cardoso, o Simpósio proporciona, aos cadetes do último ano, uma visão amplificada da Força Aérea e das aviações. “A vinda do Comando de Preparo e as suas Unidades Aéreas à Academia da Força Aérea traz uma oportunidade ímpar aos nossos cadetes do 4º ano do curso de formação de oficiais aviadores de conhecer as aviações e os equipamentos, de tirar dúvidas com os pilotos e comandantes das Unidades, para então fazer a escolha da aviação que vão seguir ano que vem.”

Foto: Sgt. Bianca Viol/FAB.

Próximo do momento de escolher a aviação que atuará, o Cadete Caio D’Ambrós de Oliveira, fala das expectativas da carreira. ”Eu tenho certeza que este Simpósio das Aviações é de extrema importância para que nós, cadetes aviadores do 4º ano, possamos entender e compreender como é a Força Aérea fora da Academia, como é a FAB que vamos integrar daqui pouco mais de sete meses”, disse.

O Cadete Aviador Caio ao lado do F-39E Gripen. Foto: Soldado João Oliveira/FAB.

A Cadete Ianca Maria Cavalcante Menezes também conta sobre o que achou do Simpósio. “Contribui para que a gente entenda como está a FAB como um todo, nas diferentes  aviações. Ajuda para a escolha da aviação, que se aproxima ao final do ano, além de permitir conhecer os novos vetores, as novas aquisições da Força Aérea”, observou.