Singapore Airlines Boeing 777

Seguindo as condições do mercado, a Singapore Airlines aposentou antecipadamente quatro Boeings 777-300ER, a companhia aérea justificou que as aeronaves estavam em excedente com o relação ao número de aeronaves necessárias atualmente. 

A empresa ainda pretende retirar da frota 12 aeronaves, chegando à 45 aviões retirados da frota somente neste ano. Os resultados financeiros da Singapore não foram bons, a companhia aérea registrou um prejuízo de S $ 4,3 bilhões no Dólar de Cingapura, o que equivale aproximadamente em US$ 3,2 bilhões.

Como forma de reduzir seus custos operacionais e com manutenção, a Singapore já retirou além dos quatro 777-300ER, oito 737-800NG e alguns A380. Anteriormente a empresa já havia retirado 41 777-200 e 10 777-300. A Singapore ainda possui cinco Boeings 737 MAX 8 que estão estocados aguardando a autorização para retomarem voos.

Em outra medida de reduzir custos e gerar fluxo de caixa, a Singapore fez um acordo de leaseback de 11 aeronaves. Essas aeronaves são sete Airbus A350 e mais quatro Boeings 787-10, o acordo firmado no começo do mês de maio fez a empresa captar S $ 2 bilhões(US$ 1,5 bilhão).

Essa é uma forma eficaz de arrecadar dinheiro sem reduzir o número de aeronaves disponíveis para uso. A desvantagem é que a companhia precisa pagar por vários anos o valor de arrendamento, de uma aeronave que antes era própria.

A companhia tem atualmente US$ 11,5 bilhões em liquidez imediata, montante que foi levantado a partir de vários processos de leaseback, bem como emissão de títulos e notas de financiamento, seja para o mercado privado ou para atender aos requisitos de ajuda governamental.