Foto: FAB/Sgt. Batista

Durante quase 30 anos a Força Aérea Brasileira (FAB) utilizou o famoso quadrijato Boeing 707 pelo 2°/2° Grupo de Transporte, Esquadrão Corsário. Operando na atual ALA 11 (Base Aérea do Galeão), o grupo de quatro aviões era responsável pelo transportes de tropa, transportes de cargas, reabastecimento em voo e até o transporte presidencial.

O ano era 1968 quando a primeira das quatro aeronaves utilizadas pela FAB foi fabricada e passada ao seu primeiro operador, a Seaboard Word Airlines, e em poucos meses a VARIG recebeu este avião.

Já na Varig, a companhia utilizou uma nova leva de aviões Boeing 707, que chegaram entre 1968 a 1972, para substituir os aviões Convair 990A, que entraram na frota da companhia através da controversa integração com a Panair do Brasil.

Nesta matéria vamos falar especificamente dos aviões de matrícula PP-VJH, PP-VLK, PP-VJX, PP-VJY. Estes chegaram entre 1968 a 1969 na frota da Varig, e eram da versão 707-320B, diferentemente dos primeiros da empresa, agora equipados com motores Pratt & Whitney e atualizações para melhorar a performance.

 

Repasse dos aviões Boeing 707 para a FAB

Após alguns anos de operação pela Varig, os 707 estavam com uma boa quantidade de horas de uso nas costas, e eram um dos poucos 707 de passageiros que a companhia então operava.

Na mesma época o então Presidente da República da época, José Sarney, buscava “modernizar” a frota de transporte VIP da FAB, bem como a de transporte entre países, e a compra de quatro aviões Boeing 707 foi assinada entre as partes ainda em 1986.

No ano seguinte, 1987, a Varig tirou todos os 707 da operação de passageiros.

Foto: Leslie Snelleman

Ao longo dos anos a aeronave foi apelidada de “Sucatão”, pelos constantes problemas mecânicos que o Boeing 707 apresentava e também pela idade dessas aeronaves.

Erroneamente, a imprensa chegou a aumentar a data de “nascimento” em 10 anos, afirmando que a fabricação destes foi realizada em 1958, na realidade o ano de estreia do 707 nos voos comerciais.

Antes de servir como aeronaves militares, os quatro Boeing 707 seguiram para Wichita, nos EUA, para fazer a conversão de aeronave civil para militar e a adaptação dos “pods” nas pontas das asas que carregava duas mangueiras de 12 metros com uma cesta na ponta, permitindo o reabastecimento em voo de aeronaves equipadas com sonda, desde então foram rebatizadas de KC-137.

 

Entrega para a FAB

KC-137 FAB Boeing 707 Força Aérea Brasileira

No Esquadrão Corsário os KC-137 atuaram em missões de apoio de reabastecimento em voo durante operações militares no Brasil e no exterior, e também atuou no transporte presidencial de 1986 a 2005, quando foi substituído pelo VC-1 Airbus A319ACJ, a aeronave presidencial que está atualmente no GTE, na ALA 1.

 

FAB-2401

KC-137 FAB Boeing 707 Força Aérea Brasileira

A primeira aeronave de matrícula de FAB-2401 foi o Boeing 707-345C-H, que na Varig utilizou o prefixo PP-VJY. Esta foi a aeronave escolhida para serviço presidencial e que curiosamente não serviu o GTE (Grupo de Transporte Especial) com sede na ALA 1 (Base Aérea de Brasília) mantendo-se no Corsário.

O 2401 foi reconfigurado e passou a ser uma aeronave VIP, com capacidade de realizar transporte de tropas e reabastecimento em voo quando não estivesse em missão presidencial, voou pela FAB de 1986 a 2013 nas cores presidenciais branco com faixa azul e as cores verde e amarela na deriva.

 

FAB-2402

KC-137 FAB Boeing 707 Força Aérea Brasileira
Foto: CECOMSAER FAB

Segunda aeronave é o Boeing 707-345C-H de matrícula FAB-2402, que voou pela Varig utilizando o prefixo PP-VJX. Este chegou na Força Aérea em 1986 como aeronave de configuração mista (Carga/REVO). Diferente do 01 ele adotou as cores padrões na época da aviação de transporte, totalmente cinza.

O 2402 foi desmanchado em 2017 no pátio da Base Aérea do Galeão, após uma empresa ter arrematado em um leilão para a retirada de peças.

 

FAB-2403

KC-137 FAB Boeing 707 Força Aérea Brasileira

O Boeing 707-320C-H foi o terceiro modelo da Força Aérea. Operou matriculado FAB-2403 e também ostentando a cor cinza, quando serviu a VARIG voou com o prefixo PP-VJH. O avião foi desmanchado após a saída de serviço pela FAB, em 2013.

 

FAB-2404

KC-137 FAB Boeing 707 Força Aérea Brasileira

A última aeronave a chegar na FAB foi o Boeing 707-320C-H com matrícula FAB-2404, quando civil voou com o prefixo PP-VLK e foi passado da VARIG para FAB em 1987.

A aeronave em questão se envolveu em um incidente no Haiti em 26 de maio de 2013, quando estava em missão de transporte de tropa. Na ocasião o trem de pouso dianteiro travou, forçando o pouso sem o mesmo.

Durante o procedimento o avião saiu da pista no Aeroporto de Porto Príncipe. Apesar do susto, nenhum militar a bordo ficou ferido.

 

Aposentadoria

A FAB anunciou a aposentadoria dos KC-137 durante uma cerimônia na Base Aérea do Galeão, de 45 anos do Esquadrão Corsário. Ainda sem escolher um substituto, o anúncio oficial foi realizado no local, encerrando os quase 30 anos de história do KC-137 na frota da FAB.

Foi um avião icônico, principalmente por se manter em operação durante um período onde já poderíamos ver aviões bem mais modernos e silenciosos nos voos comerciais, como o Boeing 787.

Sua presença era única nos aeroportos, emitindo uma sinfonia dos motores Pratt & Whitney que na época já estava extinta do dia-a-dia de todos. 

Essa experiência de ouvir e ver o Boeing 707 está disponível nos vídeos abaixo:

 

 

Texto produzido em colaboração entre o editor Ícaro Roberto e Pedro Viana.