TAP vai diminuir frota e demitir até 2000 funcionários em reestruturação

TAP

Nesta sexta-feira (11/12) o Governo de Portugal divulgou que para evitar a falência da TAP, precisará injetar cerca de 2 bilhões de euros na companhia aérea.

O montante será aplicado na empresa até meados de 2024, quando uma recuperação total da demanda está prevista na aviação, de acordo com dados da IATA. A companhia também está com um excesso de funcionários, enquanto os voos estão aos poucos sendo retomados.

No plano de reestruturação da TAP, apresentado hoje (11), ainda foi apresentado um corte de frota e de empregos na companhia aérea. Atualmente a TAP tem cerca de 100 aviões na sua frota, e deve terminar 2021 com cerca de 88 aeronaves, após devolver aviões mais antigos.

Esta é a frota mínima necessária para evitar comprometer a função de hub da TAP, afirma ele, acrescentando que a transportadora precisa se concentrar em tipos de aeronaves menores e mais eficientes.

Além disso, a TAP deve cortar 2000 empregos até 2022, e para complementar, vai cortar os salários permanentemente nos próximos meses em 25%.

O Ministro das Infraestrutura, Pedro Nuno Santos, disse que a reestruturação tem de ser conduzida com “seriedade” para controlar a quantidade de dinheiro público necessária ao resgate da companhia aérea.

“A TAP tem 28% mais tripulantes por aeronave do que a maioria das suas concorrentes, o que torna o ajuste que faremos muito mais difícil agora”, disse ele. “Os pilotos ganham mais do que os de algumas de nossas concorrentes.”


A TAP, de qualquer forma, só voltará a dar lucros em 2024, de acordo com Nuno Santos. O plano de reestruturação vai gerar uma economia total de 1,4 bilhão de euros até 2024.

Ele afirma que a TAP tem mais pilotos e tripulantes por aeronave do que seus concorrentes, acrescentando: “Precisamos ser capazes de corrigir essa diferença”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA