A Associação Latino-Americana e do Caribe de Transporte Aéreo (ALTA) informou que, no primeiro trimestre de 2019, as companhias aéreas da região transportaram 3,6 milhões de passageiros adicionais e o tráfego de passageiros atingiu um crescimento acumulado de 5% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

Janeiro foi o mês com maior número de passageiros transportados (26,8 milhões) e fevereiro foi o mês com maior crescimento percentual (7,1%) em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em março, o tráfego na região foi de 25 milhões de passageiros transportados (1.057.831 passageiros adicionais em relação a março de 2018) com crescimento de 4,4% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O tráfego (RPK ou número de passageiros pagos transportados multiplicado pela distância percorrida) cresceu 4,1% e a capacidade (ASK ou número de lugares disponíveis para venda multiplicado pela distância percorrida) aumentou 5,3%, fazendo com que o fator ocupação atingisse 80,4%.

Do total de passageiros transportados em março, 18,86 milhões corresponderam ao tráfego doméstico, que cresceu 5,8% em relação a março de 2018, e 6,14 milhões foram relativos ao tráfego internacional.

Quatro países destacaram-se positivamente em março. No México foram transportados mais de 250 mil passageiros domésticos adicionais, o que fez o país alcançar um crescimento de 6,5% em relação a março de 2018 e um crescimento acumulado de 6,3% no primeiro trimestre 2019 (700 mil passageiros domésticos adicionais).

A Colômbia, terceiro mercado doméstico mais importante da região em volume de passageiros, teve crescimento de 11,2% em março e acumulado de 10,3% em 2019.

A Argentina alcançou crescimento percentual de dois dígitos (13%) em março e Chile tem mantido grande dinamismo com um crescimento de 16,6% em março. No acumulado de janeiro a março, o país alcançou o crescimento mais alto da região, com 18,1%.

Brasil

O Brasil transportou mais de 1 milhão de passageiros adicionais entre janeiro e março de 2019 e alcançou um crescimento percentual de 4,4%, posicionando o país como o gerador de cerca de 30% do crescimento acumulado da América Latina e do Caribe nestes meses.

“Na região, 17 aeronaves foram entregues e 4 novas rotas foram inauguradas (3 domésticas e 1 internacional) no período.Para 2019, há mais de 40 rotas novas anunciadas, muitas delas no Brasil, graças à redução recente da alíquota de ICMS sobre o querosene de aviação em São Paulo, o que estimulará o tráfego domestico e melhorará a conectividade do estado e do país regional e internacionalmente”, afirmou Luis Felipe de Oliveira, CEO da ALTA.