Foto: SAC Tim Laurence/RAF

A Alemanha está com interesse em se tornar um dos países membros do programa do caça Lockheed Martin F-35.

O porém disso tudo é um recente alerta para a Alemanha não fazer parte deste programa, que parte de um dos diretores da Airbus, concorrente da Boeing.

O diretor em questão é o Dirk Hoke, que tem o cargo de diretor executivo da Airbus Defense and Space, segundo ele “Assim que a Alemanha se tornar um país do F-35, a cooperação em todas as questões de aviões de combate com a França morreu”, disse Hoke em uma conversa com a Welt Am Snntag, antes da Exposição Internacional Aeroespacial em Berlim.

O alerta do diretor Hoke está ligado à França também, pois se a Alemanha optar pela compra dos caças de quinta geração F-35, isso geraria problemas entre os dois países, relacionados a um novo caça de desenvolvimento franco-alemão que poderá subir ainda mais o nível de defesa da Europa.

Ainda são poucos os detalhes do caça franco-alemão, mas é algo que deve acontecer, até porque chefes de ambas as nações estão envolvidos, tanto o presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel (CDU).

Atualmente a Alemanha duas importantes aeronaves na aviação de caça, uma de ataque ao solo, o Panavia Tornado e o de superioridade aérea, o Eurofighter Typhoon, esse último está ligado à Airbus, tanto no desenvolvimento como na construção.