Aeronaves C-95M Bandeirante do 3º ETA. Foto: FAB via Twitter.

Nesta quarta-feira (12), os esquadrões Tracajá, Pastor, Pioneiro e Guará celebram seus 52 anos de fundação. Os Esquadrões de Transporte Aéreo (ETA) são sediados em múltiplas localidades do país, e são empregados em missões de evacuação aeromédica, suprimento, lançamento de cargas, transporte órgãos e demais operações. 

Sediado na Ala 9, em Belém (PA), o 1º ETA, Esquadrão Tracajá utiliza aeronaves C-95 Bandeirante, C-97 Brasília e C-98 Caravan. As mesmas aeronaves também são empregadas pelo 2º ETA, o Esquadrão Pastor, baseado na Ala 10, em Parnamirim (RN).

C-97 Brasília do Esquadrão Pastor. Foto: FAB via Twitter.

O 3º ETA, Esquadrão Pioneiro, destaca-se por ter sido a primeira unidade a utilizar o Embraer C-95 Bandeirante, aeronave que usa até os dias de hoje, atualmente modernizada. A organização é sediada na Base Aérea de Santa Cruz, atual Ala 12, no Rio de Janeiro. 

Cessna C-98 Caravan do 1º ETA. Foto: FAB via Twitter.

Já o 6º ETA, o Guará, opera aeronaves C-95 Bandeirante, C-97 Brasília, C-98 Caravan, U-55 Learjet e U-100 Phenom. O esquadrão tem como casa a Base Aérea de Brasília (Ala 1). 

https://twitter.com/fab_oficial/status/1392473720619425803

Recebidos em 2019, os Embraer U-100 Phenom são as aeronaves mais novas da unidade, e vem sendo empregadas extensivamente no transporte de órgãos e tecidos vitais. Na quarta-feira passada, um dos U-100 transportou um coração de Goiânia para Brasília. Segundo a FAB, o Guará realiza mais de 40% das missões de transporte de órgãos e de equipes médicas para transplante.

Desativado em janeiro de 2018, o 4º ETA, Esquadrão Carajá, também estaria celebrando seus 52 anos de fundação hoje. 

Os ETAs da FAB foram criados em 12 de maio de 1969 pela Portaria R012/GM3, que veio com o objetivo de descentralizar as atividades do Comando de Transporte Aéreo. A FAB também conta com outros dois ETA: o Esquadrão Pégaso (5º ETA), da Ala 3, e o Esquadrão Cobra (7º ETA), da Ala 8.