Itapemirim ITA PS-SPJ
Foto: Itapemirim/Divulgação

Nas últimas semanas recebemos uma grande quantidade de dúvidas simultaneamente ao lançamento dos voos da Itapemirim. As principais rondavam sobre a taxa de ocupação dos voos da companhia, e como estava o “caixa” do Grupo que está em Recuperação Judicial.

E em uma entrevista para o Canal ASA, no Youtube, o novo CEO da Itapemirim Transportes Aéreos, Adalberto Bogsan, detalhou os novos planejamentos da companhia, e também como está sua “saúde” no início das operações.

Você pode conferir a entrevista completa no vídeo abaixo (a partir de 50:00):

 

Dificuldades da Itapemirim antes de iniciar os voos

De acordo com Bogsan, a companhia passou por um complicado momento antes do início das operações, com o adiamento do início dos voos e “custos extras” que foram aparecendo ao longo das semanas que antecederam a estreia.

Ao mesmo tempo, tripulantes demitidos da LATAM Brasil, e que já estavam trabalhando na Itapemirim, foram chamados de volta pela companhia e precisaram ser substituídos na ITA. Um processo de treinamento e substituição de tripulantes foi realizado pela Itapemirim.

Nas dificuldades financeira, Bogsan confirmou que a venda de ativos do Grupo Itapemirim, como os ônibus mais antigos da frota, e já fora de operação, possibilitaram um bom aporte financeiro para o caixa da nova companhia aérea antes do início dos voos.

Porém, com a abertura das vendas, a ITA deixa de depender tanto de outras empresas do Grupo Itapemirim, e passa a fazer seu próprio caixa.

Até realizar os voos de certificação os custos da estreante alcançavam 34,6 milhões de reais. Bogsan não revelou quanto “queimaram” de dinheiro até a companhia abrir a venda dos seus voos.

 

Taxa de ocupação nos primeiros dias de operação

Entre as dificuldades, a Itapemirim também precisou fazer um ajuste de malha poucos dias antes do início dos voos, trocando o conceito hub-to-hub para um conceito de voos 

O resultado foi uma taxa de ocupação abaixo do esperado (de 65%) na primeira semana de operações, algo que a Itapemirim está recuperando somente agora, 15 dias depois. Na primeira semana a ocupação dos voos ficou na média de 40%, de acordo com Bogsan.

Ressaltamos que a taxa de ocupação não representa diretamente lucratividade para a empresa, visto que esta depende do Ticket Médio, e dos custos de operação da aérea. Por exemplo, a Ryanair é bastante lucrativa mesmo com o baixo preço das passagens, no entanto, a companhia precisa trabalhar com uma altíssima taxa de ocupação dos seus voos.

 

“Novos” aviões serão postergados

Itapemirim Airbus A320

Anteriormente a Itapemirim afirmou que planejava chegar ao final de agosto com 10 aeronaves na sua frota. Logo depois, o planejamento passou para 8 aviões em setembro, mas agora, de acordo com Bogsan, a companhia deve chegar em outubro com oito aviões na frota.

Cinco deles estarão ativos ainda neste mês, sendo que o 3º avião (PS-TCS) estará disponível a partir da próxima semana, que se inicia no dia 18 de julho. O 4º avião (PS-SFC) entrará em operação a partir do dia 25 de julho.

Já o 5º avião, de matrícula PS-ITA, está passando por uma grande manutenção no Rio de Janeiro, de acordo com Bogsan, e não entrará imediatamente na frota da aérea, apesar de chegar adaptado para o início das operações, com pintura pronta e o interior de 27 fileiras e 162 assentos.

A Itapemirim pode ter seu plano de expansão afetado, ao chegar em outubro com somente 8 aviões na sua frota. 

 

DEIXE UMA RESPOSTA