A nave espacial da Virgin Galactic, a VSS Unity, realizou nesta quinta-feira o seu primeiro voo com propulsão, através de um motor 

A aeronave não chegou a romper a barreira da atmosfera conhecida por ser uma divisão entre a Terra e o Espaço, há aproximadamente 100 km, mas atingiu velocidade supersônica de Mach 1.87, aproximadamente 2300 km/h. A altitude máxima foi de 25,6 quilômetros (~84000 pés) e o motor ficou ligado por 30 segundos.

O voo foi comandado pelos pilotos Mark Stucky e Dave Mackay, que confirmaram a tranquilidade desse voo, mesmo sendo a primeira experiência com um motor ligado nesse veículo.

Todo o voo de teste durou cerca de uma hora. Ele começou com a decolagem junto a um avião que auxilia no transporte quase no limite da troposfera, depois a espaçonave foi liberada para voar livremente com propulsão própria. Após isso a espaçonave pousou no deserto de Mojave, na Califórnia, finalizando o seu 12º voo de teste.

Essa nova espaçonave entra no programa de desenvolvimento da Virgin Galactic depois de um acidente, ocorrido em 2014, com a espaçonave anterior, a VSS Enterprise. O acidente de 2014 foi causado por uma falha do co-piloto que se precipitou na separação da SpaceShipTwo com a aeronave de transporte. A Virgin Galactic corrigiu o erro para evitar o desacoplamento fora do momento correto, além de reforçar o treinamento dos pilotos.

Quando o avião-foguete estiver pronto, a Virgin Galactic irá oferecer o “turismo espacial” por um valor de US$ 250000. O voo inclui um breve momento com a gravidade terrestre quase nula e uma visão da Terra através do espaço. A empresa já tem autorização da FAA para realizar esse tipo de voo.