• Instagram
  • Feed
  • Telegram
  • Youtube

Viva Air Colômbia suspende suas operações

Viva AIr Airbus A320neo Companhia aérea
Foto: Viva Air

A companhia aérea colombiana, Viva Air, anunciou na manhã desta terça-feira (28) a suspensão temporária e imediata de suas operações. A empresa emitiu um comunicado nas primeiras horas do dia informando a decisão.

A Viva Air informou aos seus passageiros que no momento não conseguiria honrar com suas passagens compradas. A empresa afirma ainda no comunicado que “a única possibilidade” de realizar seus voos seria a integração com a Avianca, na qual enfrenta barreiras com o governo para aprovação.

“Informamos os passageiros com voos atuais da Viva que não poderemos honrar seus planos de viagem. Vamos informá-los em tempo hábil sobre as medidas a serem tomadas após esta decisão”, diz um trecho do comunicado.

A companhia aérea atribui a suspensão de suas operações ao fato de o governo não tomar uma “decisão oportuna” para aprovar a fusão da Viva Air com a Avianca para salvar a empresa que enfrenta dificuldades financeiras.

A Viva Air disse que continuará negociando com seus credores e que continuará trabalhando para “preservar sua capacidade de reiniciar as operações em uma data futura”. A companhia de baixo custo reforçou em seu comunicado que detalhou para o governo sobre suas condições financeiras difíceis e buscava a aprovação da fusão como medida para salvar as operações da empresa.

“[Esta última] decisão questiona o futuro do serviço aéreo de baixo custo na Colômbia e põe em risco o emprego de mais de 5.000 colombianos”, disse em comunicado. 

Aerocivil barrou fusão por duas vezes

Desde o ano passado, já havia um acordo entre a Avianca e a Viva para que as duas empresas fossem integradas em um só grupo, porém o Aerocivil, órgão que regula a aviação na Colômbia impediu por duas vezes a fusão entre as empresas.

A estatal alega que mesmo que a fusão mantenha as operações e marcas separadas, as operações da Avianca e da Viva Air somam pouco mais de 94% do mercado e isso poderia prejudicar concorrência entre as empresas.

A companhia colombiana deu entrada em um processo de recuperação para em até 90 dias renegociar dívidas com seus credores. A Castlesouth, que é parte do conselho da Viva Air, disse que o interesse é ser integrada à Avianca em razão das dificuldades financeiras enfrentadas.

“Dada a atual condição financeira crítica da Viva, a aprovação imediata do governo nacional para integrar a Viva à Avianca é do interesse da Viva e de seus passageiros, credores, funcionários e outras partes interessadas, incluindo o público colombiano.”

 

Quer receber nossas notícias em primeira mão? Clique Aqui e faça parte do nosso Grupo no Whatsapp ou Telegram.