A Alaska Airlines anunciou oficialmente que vai adquirir a rival Virgin America em um acordo no valor de aproximadamente US$2,6 bilhões. Em uma declaração conjunta, os portadores disse que a Alaska Airlines concordou em compartilhar e inclusive absorver o endividamento da Virgin America, além das aeronaves arrendadas, no total a transação em dinheiro é avaliada próximo de US$ 4 bilhões.

“A combinação expande as operações da Alaska Airlines na Califórnia, reforça a sua plataforma para o crescimento e fortalece a empresa como um concorrente para as quatro maiores companhias aéreas dos EUA “, disse a transportadora com sede em Washington, em comunicado. “Vamos combinar os principais mercados bem estabelecidos no Noroeste do Pacífico e Estado do Alaska, já atendidos pela Alaska Airlines, a com base sólida da Virgin America, na Califórnia, dessa forma a nova companhia aérea terá maior participação dentro de aeroportos como Golden State, incluindo San Francisco, na Califórnia e Los Angeles Int’l .”

Com essa união as duas companhias terão cerca de 280 aeronaves, realizando no total 1200 voos com centros de conexões em Seattle Tacoma Int’l , San Francisco(CA), Los Angeles e Portland Int’l. Depois de concluído, o programa de fidelidade da Virgin America será fundido com o da Alaska Airlines.

Em termos de liderança, a organização será combinada com sede em Seattle, sob a liderança do Presidente do Alasca e CEO, Brad Tilden. Sua equipe de liderança composta por Tilden e David Cush da Virgin, vai co-liderar uma equipe de transição, que irá desenvolver um plano de integração específico, até receber aprovação regulamentar para por em prática.

Embora tenha sido aprovada por unanimidade pelos conselhos de administração das duas empresas, a fusão está condicionada ao recebimento de autorização regulamentar, aprovação dos acionistas e satisfação de outras condições habituais no financeiro da Virgin America. Como tal, a venda deverá ser concluída com a aprovação regulamentar em 1 de Janeiro, de 2017.

COMPARTILHAR