Perto do final de semana a Força Aérea Brasileira (FAB) fez duas reuniões com as fabricantes Saab, Boeing e Embraer para esclarecer melhor o futuro dos projetos de defesa da Embraer, caso a fabricante americana compre parte da empresa.

A primeira reunião foi realizada na quinta-feira (11/01) com representantes da Saab, a pauta da FAB foi sobre a compra de parte da Embraer pela Boeing. De acordo com uma publicação da Revista Época, a informação vazada sobre a Saab é sobre a indignação da empresa sobre as negociações da Boeing com a Embraer, isso porque a fabricante brasileira está dentro do projeto do Gripen NG, com transferência tecnológica para o Brasil. Com a compra de parte da Embraer pela Boeing, essa transferência poderia acabar na mão dos americanos.

A Saab também está preocupada com o futuro do programa Gripen NG, visto que a Boeing poderia não ter interesse em prosseguir com a linha de montagem da aeronave no Brasil.

Diretoria estratégica da Boeing em reunião com o ministro Raul Jungmann. Foto – Ministério da Defesa

Já a outra reunião foi realizada no final da última sexta-feira (12/01) também em Brasília, entre representantes da Boeing e FAB, além do Ministro da Defesa Raul Jungmann.

A diretoria da Boeing compareceu em peso nessa reunião no gabinete do ministro Raul Jungmann. O Chief Financial Officer (CFO) da Boeing, Greg Sullivan; O Vice-Presidente de cooperação estratégica da Boeing, Ray Conner; O Vice- Presidente de desempenho empresarial e estratégico, Travis Sullivan; E até mesmo o Presidente da Boeing para a América Latina, Donna Hrinak, estavam entre os presentes.

A FAB também estava presente nessa reunião com uma grande representação estratégica. 

O ministro afirmou depois da reunião que mantém uma boa perspectiva sobre uma possível colaboração da Boeing com a Embraer no setor militar, mas que o controle acionário da companhia não pode ser drasticamente modificado. Do mesmo modo os produtos militares da Embraer não serão autorizados a se tornar “produtos Boeing”.