Boeing de testes nos anos 80...
Boeing 767 de testes nos anos 80… – Boeing Media

Com o crescente sucesso do Airbus A300/310, a Boeing se viu ameaçada com as duas novas aeronaves que dominavam o mercado dos Widebody entre 200 a 300 passageiros em configuração de duas ou três classes. A produção do 767 iniciou-se em 1982 com a encomenda de 30 (trinta) deles pela companhia aérea americana United Airlines.

A aeronave foi apresentada oficialmente em Everett, Washington, em 04 de agosto de 1981 e voou pela primeira vez em 26 de setembro do mesmo ano. A versão 300 teve seu programa de desenvolvimento iniciado em setembro de 1983, e três anos após a Japan Airlines recebeu o primeiro exemplar, cerca de 6,43 metros mais longo, com 31% a mais de capacidade de carga e com 20% a mais de assentos disponíveis.

Roll Out do Boeing 767
Roll Out do Boeing 767 – Boeing Media

Essa aeronave possui atualmente, 05 (cinco) versões disponíveis no mercado. Os Modelos são: 767-200ER, 767-300, 767-300ER, 767-300F e 767-400ER, além de duas versões militares (aviões-tanque) para a Força Aérea da Itália e Força Aérea de Defesa do Japão(chamados KC-767A).

Kfir
Versão Militar Tanker e Cargueira do 767. – Força Aérea Colombiana

O Boeing 767 foi um dos primeiros também a incorporar o uso de aviônicos modernos e o chamado Glass Cockpit, onde substituía a maioria dos instrumentos analógicos por comandos em telas de CRT. Durante sua vida ele recebeu diversas implementações que o ajudaram a deixar mais econômico e sobreviver por mais tempo no mercado, tais como winglets, várias versões para o interior, e diferentes configurações de motores, também foi marcado pelas mais diversas versões a qual se mostrou compatível, como os aviônicos da -400ER baseados nos do 777 e nas conversões de aeronaves de passageiros para versões cargueiras.

Primeiro aviônicos do 767, equipado na versão -200 e -300.
Primeiros aviônicos do 767, equipados na versão -200 e -300. – Wikipédia
Cockpit do Boeing 767-400ER já baseado no Boeing 777.
Cockpit do Boeing 767-400ER já baseado no Boeing 777. – Wikipédia 

A sua produção e desenvolvimento começou juntamente com o seu irmão “gêmeo”, porém de corredor único, o B-757, que foi feito para a substituição direta dos já obsoletos e barulhentos Boeing 727.

Em maio de 1985, a FAA aprovou a utilização do B-767 para voos de transatlânticos através da implementação da certificação ETOPS 120, que autoriza voos de até 120 minutos em locais sem aeroporto por perto (como na maior parte do pacífico) e em março de 1989 foi certificado para ETOPS de 180 minutos, a maior existente para bijatos daquela época, podendo se disponibilizar a realizar rotas que só eram operadas antes por quadrijatos, ou  trijatos como o DC-10 e o Lockheed Tristar.

Esse foi um dos motivos de atualmente o Boeing 767 ser a aeronave que mais cruza o Atlântico nas rotas entre Europa-Estados Unidos e América do Sul, fora a sua alta economia no consumo de combustível, um grande alcance e também utiliza a estrutura de categoria nos aeroportos que já aceitavam aeronaves já existentes como o Boeing 707, 747, e os Airbus A310-A300.

Curiosidade 2 – Atualmente no Brasil a TAM opera aeronaves 767-300ER com fabricação pós-2012 sendo a maioria de procedência ex-LAN, as aeronaves substituíram o Airbus A330 em algumas rotas como justificativa o consumo menor de combustível devido ao menor peso e ao valor menor de Leasing.

 

Texto – Totalmente por Igor Danin/Aeroflap

COMPARTILHAR
Igor Danin

Estudante , sou da Aeroflap desde novembro de 2013 e acompanhei o crescimento e sucesso da página desde o início antes de me tornar adm, e agora que faço parte da equipe cresço junto com o site.