Desde o início deste mês de junho, o sistema de iluminação na calçada do terminal de passageiros do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, passa por modernização e ampliação. A Gerência de Manutenção do aeroporto iniciou a instalação de uma nova linha de lâmpadas de LED (light-emmiting diode, ou diodo emissor de luz em português) na área, mais próxima ao terminal. Ao todo, serão implantadas 107 novas unidades para a iluminação. A iniciativa tem o objetivo de aprimorar a luminosidade na projeção do meio-fio, trazendo maior conforto e segurança aos passageiros.

A nova iluminação, com potência consumida total de 1980W, representa uma economia de cerca de 75% no consumo de energia em relação ao modelo de iluminação utilizado anteriormente, com um consumo de 7.700W. O investimento para a implantação do sistema é de aproximadamente R$ 20 mil. Os trabalhos deverão ser concluídos até o fim de julho.



Com a nova iluminação, a previsão é que o retorno do investimento somente com a redução no consumo de energia elétrica ocorra em pouco mais de três anos. Há também o ganho ambiental, já que, além do menor consumo de energia, o processo de descarte das lâmpadas é menos poluente, e a redução de gastos com a manutenção dos equipamentos, que possuem maior longevidade que as lâmpadas halogênicas antes utilizadas.

Foto – Infraero/Reprodução

“Substituir luminárias convencionais por LED é uma tendência que traz muitas vantagens para a administração aeroportuária – o baixo consumo, a maior disponibilidade, a menor intervenção de manutenção, entre outros. Desta forma, toda a comunidade aeroportuária desfruta dos benefícios, em especial o passageiro, que terá um passeio mais iluminado, realçando a fachada do aeroporto e garantindo maior conforto visual”, disse o gerente de manutenção do Santos Dumont, Ricardo Braga Vieira.

“As principais vantagens são para os passageiros, que agora contam com ambiente mais claro, garantindo conforto no deslocamento, e maior segurança. Trata-se do processo de melhoria contínua, com foco no cliente, além de menores custos de consumo de energia e de manutenção”, destacou por sua vez João Marcos Coelho Soares, superintendente do aeroporto.

 

Via – Infraero