Foto - Embraer

O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag), confirmou nesta quarta-feira (25) o fechamento da grade de palestras para o Congresso da Aviação Agrícola do Brasil, que começa em menos de duas semanas, na cidade paranaense de Maringá.

O evento terá um dia de demonstrações de campo (6 de agosto) com aviões agrícolas, drone e equipamentos de precisão em aplicações. As apresentações práticas vão ocorrer no Aeródromo Recanto da Águias (a cerca de 10 km ao norte da cidade).

Já os outros três dias (7 a 9) terão 35 apresentações com representantes de universidades e entidades como Sebrae, Ministério da Agricultura e Fundação Getúlio Vargas e outras. As palestras vão ocorrer no Pavilhão Principal do Parque Internacional de Exposições Francisco Feio Ribeiro (Parque da Sociedade Rural de Maringá).

Elas abordarão temas que vão desde gestão de custos e planejamento estratégico nas empresas do setor, até a boa convivência entre apicultura e produção agrícola, passando por orientações legais e certificação ambiental.

A expectativa é de um público de pelo menos 3 mil pessoas, entre técnicos, autoridades, estudiosos e profissionais do setor – o que significa um novo recorde de participação no evento.  

 

CENÁRIOS E AÇÕES

O Congresso terá ainda encontros entre empresários, pilotos, pesquisadores e autoridades, discutindo o cenário e as perspectivas para o setor aeroagrícola brasileiro. O que abrange também a definição de políticas para o setor e debates sobre formas de aprimorar a comunicação com a sociedade, garantindo transparência e demonstrando a importância e segurança de uma das melhores aviações agrícolas do planeta.

O público poderá conferir ainda, no Pavilhão do Parque, a mostra de tecnologias e equipamentos com 87 empresas e entidades (também um recorde), como fabricantes de aviões – do Brasil e dos Estados Unidos, de componentes para aeronaves, aparelhos de pulverização e para aplicação de sólidos (químicos ou orgânicos), softwares de controle de operações e gestão e outras novidades para aumentar a segurança no trabalho sobre lavouras e no combate a incêndios florestais.  

O Brasil tem a segunda maior frota aeroagrícola do Mundo, com 2.108 aviões e sete helicópteros – segundo levantamento feito em janeiro de 2018 no Registro Aeronáutico Brasileiro (RAB) da Anac. O setor é diretamente responsável pela alta produtividade em lavouras estratégicas para o País, como soja, cana-de-açúcar, algodão, milho e arroz e também é essencial no plantio de pastagens para a integração lavoura/pecuária.

A frota brasileira está atrás apenas da dos Estados Unidos, que possui cerca de 3,6 mil aeronaves (87% aviões e 17% helicópteros). A aviação agrícola do Brasil surgiu em 1947, na cidade gaúcha de Pelotas e completa 71 anos no próximo dia 19 – Dia Nacional da Aviação Agrícola.

A programação completa do Congresso da Aviação Agrícola, bem como lista de expositores e outras informações, podem ser conferidas no site www.sindag.org.br/congressosindag/

This post is available in: pt-brPortuguês