A Infraero abre o novo Aeroporto de Vitória/Eurico Aguiar Salles para a população a partir da zero hora do dia 30/3, quando passará a oferecer a um moderno e espaçoso terminal de passageiros. A primeira operação programada para as novas instalações é a partida do voo 2153 da Gol para o Rio de Janeiro/Galeão, às 5h45 da manhã.

O novo Aeroporto de Vitória oferece o que há de mais moderno em infraestrutura aeroportuária para quem chega ou parte do Espírito Santo por via aérea. Ao todo, foram 33 meses de obras, com um fluxo de trabalho que alcançou 1,8 mil operários e R$ 559,4 milhões investidos pela empresa. Com um terminal quase cinco vezes maior e capacidade para 8,4 milhões de passageiros por ano, os viajantes e companhias aéreas terão suas atividades atendidas pelos próximos 15 anos, de acordo com a estimativa de demanda local.



Para atender a essa projeção, a Infraero construiu um terminal de passageiros com 29,5 mil m², 71 pontos comerciais, 12 banheiros públicos, oito elevadores, sendo dois panorâmicos, três escadas rolantes, 31 balcões de check-in e cinco esteiras de restituição de bagagem. Todas as instalações seguem as normas de acessibilidade, garantindo o melhor atendimento aos passageiros com deficiência ou mobilidade reduzida.

“A Infraero entrega ao Espírito Santo um novo aeroporto, capaz de receber mais voos a partir de uma infraestrutura maior e mais moderna. Além disso, essas obras foram executadas pelo mesmo consórcio que ampliou o Aeroporto Internacional de Curitiba, que atualmente é o melhor do Brasil. Com esse pano de fundo, garantimos a quem chega ou parte da capital capixaba que a Infraero oferecerá um dos melhores aeroportos em atividade no País”, avalia o presidente da Infraero, Antônio Claret de Oliveira.

 

Às vésperas da inauguração, podemos ver a evolução no nosso novo terminal. É pra glorificar de pé ou não é? 😂🙏🏽

Uma publicação compartilhada por ✈ TMA VITORIA ✈ (@tmavix) em

Na área de operações de aeronaves, a Infraero passa a oferecer agora um novo sistema de pistas e pátios, com uma nova pista de pouso e decolagem 2.058m x 45m, ligada ao novo pátio de aeronaves de 67,1 mil m² por dez pistas de taxiamento, capazes de atender aeronaves de código 4D, como o Boeing 767-200. Esse sistema contará com um balizamento noturno com lâmpadas de LED, que são mais duráveis e exigem menos gastos com manutenção.

Os ruídos nas operações pela nova pista de pouso e decolagem deverão ser reduzidos por causa da orientação da estrutura, que de acordo com o vento predominante (NNE) permitirá que as aproximações para pouso ocorram sobre a Baía de Camburi, que também não conta com obstáculos na rota. Além disso, a nova pista terá 300 metros de comprimento a mais do que a atual, com apenas 40º de diferença em seu rumo magnético, o que permitirá operações intercaladas, aumentando a fluidez e das operações aéreas, conforme previsto no Plano Diretor Aeroportuário aprovado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pelo Comando da Aeronáutica.

Agora, além de contar com duas pistas, as operações de pouso e decolagem em condições de mau tempo contarão com as rotas de navegação de área (RNAV), feitas a partir de satélites e sistemas digitais de bordo. “Além do ILS na pista antiga, a pista nova terá o RNAV, que permitirá às aeronaves homologadas e pilotos habilitados percorrer caminhos mais diretos, sem precisar passar por pontos de auxílio à navegação. Essa tecnologia faz parte do pacote de recursos da Navegação Baseada em Performance (PBN, do inglês Performance Based Navigation), implementado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo”, explica do diretor de Operações e Serviços Técnicos da Infraero, João Márcio Jordão.

Acesso
A partir da zero hora do dia 30/3, a chegada de veículos ao novo Aeroporto de Vitória será apenas pela Avenida Adalberto Simão Nader, que passou por diversos ajustes para atender à demanda da capital capixaba. “O novo acesso viário foi projetado para o aeroporto absorver todo o tráfego de veículos destinados ao terminal. Isso reduz as interferências sobre as vias dos bairros vizinhos. Além de uma avenida com quatro pistas no acesso ao terminal, o sistema terá infraestrutura de drenagem, iluminação, sinalização, ciclovia e proteção vegetal, além de interligar as avenidas Dante Michelini e Fernando Ferrari”, explica o superintendente de Engenharia, Adelcio Guimarães Filho.

Quem chegar pelo novo acesso de carro ou táxi encontrará um acesso viário com quatro faixas, além de uma ciclovia própria. No aeroporto, os usuários de veículos terão um estacionamento com 1,7 mil vagas para carros, além de 10 vagas para ônibus de turismo e um bicicletário.

No transporte público, a prefeitura de Vitória está em fase de conclusão de estudos para alterações das rotas das linhas de ônibus municipais que atenderão ao aeroporto, que por sua vez oferecerá ponto no meio fio de embarque e desembarque.

Todas essas mudanças já foram comunicadas às companhias aéreas, cooperativas de táxi, empresas de ônibus, secretarias Municipais e Estadual de Turismo e Transportes, Embratur, Associação Brasileira de Agências de Viagens no Espírito Santo, além de ter feito informes no seu site, veículos de comunicação locais e redes sociais.

Em caso de dúvidas, a Infraero orienta aos passageiros e usuários que entrem no site da Infraero ou acesse os perfis oficiais da empresa no Facebook, Twitter e Instagram. As companhias aéreas que operam em Vitória também estão orientadas a esclarecer seus passageiros sobre o início das operações no novo terminal de passageiros.

Sustentabilidade
Um dos principais exemplos de sustentabilidade na Rede Infraero, o novo Aeroporto de Vitória reúne algumas das melhores práticas adotadas pela estatal.

Um dos destaques é a recuperação da restinga das praias dos municípios de Vitória e Aracruz, desenvolvida entre a Infraero em parceria com o consórcio Jota Ele/Exxa/Basalto e secretarias Municipais de Meio Ambiente. A iniciativa consiste na limpeza, sinalização, cercamento, enriquecimento e plantio de vegetação de restinga, visando ampliar e recuperar as áreas litorâneas de ambos os municípios.

“Estão sendo recuperados 16,8 hectares nas praias do município de Vitória, 15,5 hectares no município de Aracruz e 12,1 hectares dentro do sítio aeroportuário, de acordo com o Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD) aprovado pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Espírito Santo (IDAF)”, afirma Guimarães.

Outra boa prática adotada pela Infraero é o melhor aproveitamento da água por meio do sistema da Estação de Tratamento na nova Seção Contra Incêndio, além da captação de água da chuva na cobertura do terminal de passageiros. Com esses dois sistemas, o novo aeroporto terá condição de captar e tratar 650 m³ de água, que serão utilizadas nos testes dos caminhões de combate a incêndio e banheiros.

Atendimento e lojas
Para garantir uma boa experiência aos passageiros que vão chegar e partir do novo Aeroporto de Vitória, a Infraero abrirá o novo terminal com 33 lojas em funcionamento, sendo 14 do segmento de alimentação, dez de varejo e nove de serviços, como locadoras de veículos.

As demais lojas estão com processos de licitação em fase final e em até 60 dias elas deverão estar em funcionamento, oferecendo o máximo de opções no novo mix comercial aos viajantes que embarcam ou desembarcam no novo aeroporto.

A estimativa da Infraero é que o novo Aeroporto de Vitória gere em torno de 300 empregos apenas nos estabelecimentos comerciais. O antigo terminal, por sua vez, empregava cem pessoas em seu mix comercial.

Em outra linha de atendimento, a Infraero está reforçando seu efetivo orgânico e terceirizado para garantir o perfeito funcionamento das novas instalações e a melhor orientação aos usuários. “A empresa está remanejando empregados de outras localidades, dentro de seu Programa Especial de Adequação de Efetivo (PEAE). Com isso, a quantidade de empregados da Infraero passará de 197 para 223, além de reforço nas equipes terceirizadas de limpeza, manutenção e segurança patrimonial”, explica o superintendente do aeroporto, Afrânio Mar.

Operações internacionais
O novo Aeroporto de Vitória terá condições de receber de voos internacionais. O projeto entregue pela Infraero conta com áreas para a instalação de escritórios e equipamento para as atividades da Polícia Federal, Receita Federal, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Vigilância Agropecuária (Vigiagro).

“A oferta de voos internacionais passa a depender agora da demanda local e do interesse das empresas aéreas nessas operações. A Infraero pode trabalhar com as companhias aéreas, órgãos públicos e de fomento ao turismo e negócios para que as atividades de alfândega, controle de imigração e vigilâncias sanitária e agropecuária sejam estendidas aos passageiros, uma vez que o aeroporto já conta com experiência em operações internacionais para cargas”, avalia o superintendente de Gestão da Operação, Marçal Goulart.

Terminal antigo
O antigo terminal de passageiros seguirá em funcionamento, mas apenas para atender as aviações geral (off-shore, aviação executiva e taxi aéreo), militar e operações de carga aérea. As áreas passarão por adequações de layout para o novo perfil operacional. “Esses ajustes não causarão qualquer interferência nas operações que envolvem helicópteros, jatos executivos e atividades de logística de carga”, afirma o superintendente do aeroporto, Afrânio Mar.

A última operação comercial regular do antigo terminal está programada para às 23h15 do dia 29/3, quando o voo da Azul chega à Vitória vindo de Confins (MG).

Mais investimentos
Outras duas obras da Infraero para atender ao novo terminal de passageiros do Aeroporto de Vitória já foram concluídas. Uma delas é a nova torre de controle, onde R$ 16 milhões foram investidos no projeto, que tem 34 metros de altura e 1,4 mil m² de área total de trabalho, e abriga todos os serviços de navegação aérea (controle de tráfego, meteorologia, informações e telecomunicações aeronáuticas). A torre antiga tinha 17 metros e 388,2 m² de área total de trabalho.

O outro investimento, de R$ 9,9 milhões, é a nova Seção de Combate a Incêndio (SCI), agora com 2,6 mil m², quase quatro vezes a anterior, que contava com 691,7 m². Com essa nova estrutura, a Infraero aprimorou a segurança das operações, com espaço para oito caminhões de combate a incêndio, além da nova localização, permitindo um deslocamento mais ágil em caso de emergência aeronáutica.

Histórico da obra
As obras do novo terminal de passageiros, pista de pouso e pátio de aeronaves do Aeroporto de Vitória foram iniciadas em 2005 e o contrato foi rescindido amigavelmente em maio de 2009, após a Infraero acatar o acórdão do Tribunal Contas da União (TCU), que apontava indícios de sobrepreço, e passou a reter parte dos valores contratuais.

Em 2012, a Infraero e o consórcio responsável pelo primeiro contrato firmaram um termo de acordo com o objetivo de definir parâmetros e condições para a retomada das obras. O material foi enviado ao TCU, que não aprovou a proposta de retomada do empreendimento com o primeiro consórcio construtor e determinou a realização de novo processo licitatório.

O novo processo licitatório, realizado nos termos do Regime Diferenciado de Contratações (RDC), se encerrou no final de 2014 e o consequente contrato foi assinado em fevereiro de 2015, com os trabalhos iniciados em junho daquele mesmo ano.