“Podemos dar uma rápida olhada no cockpit? Uau – olhe para aquelas telas gigantes! “E” Como é como voar a nova aeronave? Certamente parece limpo e arrumado!”

Estes são o tipo de coisas que tenho ouvido todos os dias desde que comecei a voar com o CSeries diariamente. Eu tive o privilégio de ser um dos primeiros copilotos do mundo a ter o prazer concluir o curso de classificação do tipo nesta nova aeronave.



No que diz respeito ao design da aeronave, a fabricante Bombardier aproximou-se das companhias aéreas no início e perguntou o que eles apreciariam em um novo desenvolvimento. Os engenheiros começaram a criar um tipo de aeronave totalmente nova com base no conceito de “glass cockpit”. O que torna o voo e o trabalho no cockpit tão especiais? Por onde começo…

 

No cockpit do Bombardier CSeries – HUD e mais

HUD em funcionamento. Foto – Sascha D’Angelo/Swiss

Presumivelmente, a primeira coisa que um piloto percebe ao olhar para o cockpit é a exibição principal (HUD). Como o nome indica, destina-se a guiar os olhos do piloto para cima e facilitar a visualização dos parâmetros principais do voo. Para este fim, a maioria dos PFDs são projetadas diretamente no nível dos olhos.

Isso significa que, na curta final, por exemplo, o piloto possui os parâmetros necessários à sua frente, bem como a pista, o que elimina a necessidade de continuar a mudar as perspectivas. Isso é particularmente útil em voos com pouca visibilidade. O piloto também tem constantemente as velocidades críticas e a pista à vista na decolagem, então ele está sempre olhando para o que importa.

Outros detalhes que devem ser mencionados neste ponto: o Painel de Sintonia de Controle, onde configuramos as frequências de rádio e o transponder, e operamos o equipamento de navegação, está agora na parte superior do painel e, portanto, também ao nível dos olhos. Assim, ergonomicamente, o CSeries é claramente muito superior a muitas outras aeronaves.

 

O Sistema de Gerenciamento de Superfícies (SMS) e a Lista de Verificação Eletrônica (ECL)

Foto – Sascha D’Angelo/Swiss

As cinco grandes telas também contribuem grandemente para o design limpo do cockpit. Podemos exibir os mapas de navegação, o sistema de gerenciamento de voos, o sistema de comunicação, todas as listas de verificação, os vários sistemas de aeronaves e o monitoramento de vídeo em qualquer tela, de acordo com a situação do momento. Existem duas funções específicas que eu gostaria de mencionar, o Sistema de Gerenciamento de Superfícies (SMS) e a Lista de Verificação Eletrônica (ECL).

No SMS, a aeronave é projetada em um mapa em movimento apoiado por GPS, o que torna o taxiamento em aeroportos complexos muito mais fácil, a aeronave praticamente traça o caminho que deve ser percorrido em solo, e o piloto só tem que seguir, como um GPS de carro. Qualquer pessoa que já tenha pousado em uma noite nebulosa em Paris saberá exatamente o que quero dizer.

A ECL realmente revolucionou as tarefas da verificação de lista (check list) em nossos cockpits. No CSeries, as listas são exibidas nos displays. Se o sistema “detecta” um interruptor na posição pretendida ao verificar uma lista de verificação, esse item é marcado em verde na lista e não precisa ser re-checado. Isso economiza muita conversa dentro da cabine e oferece uma camada de segurança adicional, já que em momentos críticos os pilotos diminuem sua carga de trabalho.

 

Eco-friendly graças ao alto índice de derivação

Foto – Divulgação/Bombardier

Como eu costumava voar com o Avro RJ100, me acostumei com o voo inteiramente sem fly-by-wire, no começo eu tinha um enorme respeito por essa nova tecnologia de controle. No entanto, na minha primeira sessão de simuladores percebi o quão muito agradável e direto isto é.

O CSeries é controlado por sidestick e é projetado para ser “estável em velocidade”. Então, quando eu estou voando manualmente, eu recordo como seria o mesmo em uma aeronave convencional. Isso faz com que ele (o sidestick) seja altamente intuitivo e direto, não demorou muito para se acostumar com o sidestick, e agora eu nunca percebi que as entradas estão sendo realizadas por um sistema fly-by-wire.

O impulso necessário é fornecido pelos motores Pratt & Whitney PurePower PW1524G com a tecnologia Geared Turbofan. O que torna esses motores tão especiais em comparação com os convencionais é que um sistema de engrenagem de última geração separa o fan frontal do motor, de outras partes como o compressor e a turbina de baixa pressão, permitindo que cada um dos módulos funcione em suas melhores velocidades. O motor também é notável por sua tremenda taxa de bypass de 12:1 (para comparar o 737 NG e o A320ceo tem aproximadamente 6:1). Isso reduziu consideravelmente os valores de consumo, a emissão de CO 2 e as emissões de ruído. A Swiss usa os motores de melhor desempenho desse tipo, que podem gerar até 104 kN de empuxo.

O CSeries é ideal para nossa rede, pois receberá em breve receberá a certificação para “pousos íngremes” (abordagens em um ângulo de descida maior que 4,5 °), e já pode desde o lançamento pousar em pistas curtas. Em seguida, poderemos usá-lo em aeroportos muito especiais, como London City e Florence, que atualmente são atendidos pelo Avro RJ100, que está gradualmente deixando nossa frota. Já estou ansioso para iniciar as operações nesses aeroportos.

 

O CSeries – não só popular com os pilotos!

Foto – Bombardier

O CSeries também oferece uma grande quantidade de vantagens para os pilotos. A cabine é extremamente moderna, com ótima aparência, e foi equipada com assentos mais atuais e mais largos. As janelas também são boas, cerca de 30% maiores do que em outros jatos, e proporcionam um interior agradavelmente leve.

O conforto dos passageiros também foi aumentado pelos assentos da ZIM. Graças a um suporte central, eles oferecem mais espaço para as pernas com o mesmo espaço de assento. Os Bins em tamanho maior e uma atualização completa no sistema de ar-condicionado, usando novas tecnologias , completam a experiência dos passageiros.

Finalmente, o humor inconfundivelmente positivo na aeronave também deve ser mencionado. Se você pergunta aos passageiros, tripulantes ou pilotos, a maioria geralmente responde com um sorriso e confirmação de que o CSeries realmente é uma boa aeronave, tanto para voar ou trabalhar, é simplesmente uma tremenda diversão. Uma cabine mais leve, com mais espaço, design moderno, um cockpit mais ergonômico e muitos outros fatores realmente fazem ser um grande prazer pilotar um modelo que é uma inovação global. Eu ficaria encantado de receber os leitores a bordo.

 

Via – Blog da Swiss

Tradução e adaptação – Aeroflap