Aeroflot Rússia Sabre Viagens AerCap Aeronaves
Foto - Divulgação

A AerCap, empresa de leasing de aeronaves com sede na Irlanda, entrou com um pedido de seguro para suas aeronaves que estão sob domínio de companhias aéreas da Rússia.

A empresa de leasing através de seu Diretor Financeiro ontem (30), apresentou um pedido de seguro avaliado em US$ 3,5 bilhões em razão das aeronaves ‘presas’ em território russo. 

Segundo a AerCap, foram arrendadas cerca de 135 aeronaves e mais 14 motores, dessas apenas 22 aviões e 3 motores foram devolvidos à empresa. Com as novas sansões impostas a Rússia, a empresa irlandesa foi uma das mais afetadas.

Segundo o CEO da AerCap, Aengus Kelly, o valor das aeronaves em domínio das empresas russas representam 5% do valor total da frota da empresa de leasing.

“Emitimos avisos de rescisão em relação a todas as nossas aeronaves e motores alugados para a Aeroflot e tomamos medidas agressivas para recuperar nossos ativos. O valor líquido contábil dos ativos que removemos até o momento é de aproximadamente US$ 400 milhões, e atualmente estamos avaliando a condição dessas aeronaves”,  

“Temos aproximadamente US$ 260 milhões em cartas de crédito relacionadas aos nossos ativos russos que não estão em nosso balanço”. Disse Peter Juhas, Diretor Financeiro da AerCap.

O CEO da empresa falou sobre a atual situação com a Rússia.

“Deixe-me acrescentar que nossos arrendatários são obrigados a fornecer cobertura de seguro em relação às aeronaves arrendadas, e estamos segurados sob essas apólices no caso de perda total de uma aeronave. Também adquirimos seguro, que nos dá cobertura quando nossas aeronaves ou motores não estão sujeitos a arrendamento ou quando estão sujeitos a arrendamento, mas a apólice do arrendatário não nos indeniza”.

“Pretendemos buscar vigorosamente todas as nossas reivindicações sob essas políticas com relação aos nossos ativos arrendados à Aeroflot, bem como todos os outros recursos legais que possam estar disponíveis para nós. Planejamos buscar todos os outros caminhos para a recuperação do valor de nossos ativos, incluindo outras reivindicações legais disponíveis para nós.”

“Muitas dessas aeronaves agora estão sendo voadas ilegalmente por nossos ex-clientes de companhias aéreas. Esperamos reconhecer um prejuízo nas aeronaves e motores que permanecem na Rússia, o que pode ocorrer já no primeiro trimestre de 2022.” 

“Também precisaremos revisar quanto ao valor recuperável dos ativos que removemos da Rússia”. Completou.

 

 

Com informações do Aerotime.