A Aerolinhas Brasileiras ou simplesmente ABSA Cargo Airline, iniciou suas operações no dia 2 de junho de 1995 operando a sua primeira rota partindo de Campinas com destino a Manaus. O voo foi operado com sua primeira aeronave, do modelo Douglas DC-8-71F.

Em 1997 a empresa já começava a expandir suas operações fora do Brasil, com destinos em Bogotá, Caracas, Cidade do México e Miami. As coisas pareciam fluir bem para a mais nova empresa aérea brasileira pelo menos até o início dos anos 2000.

No ano 2000 a companhia parou suas operações ao devolver sua única aeronave Douglas DC-8, mas no inicio do ano seguinte retomou as rotas com outro DC-8, porém dessa vez a versão escolhida foi a 61F.

No ano de 2001 a companhia recebeu o seu primeiro Boeing 767-300F, se tornando o primeiro a operar o modelo em versão cargueira no Brasil. Esta aeronave veio da LAN Chile, tendo recebido a matrícula PR-ABB. O novo 767 foi introduzido na rota Campinas – Manaus – Miami. Ainda durante este ano o DC-8 foi devolvido ao lessor, deixando apenas o 767 em operação.

Os laços da ABSA com a LAN foram se fortaleceram após a vinda da aeronave da companhia chilena. Com o aumento da demanda, o fortalecimento da parceria da companhia brasileira com a chilena, a LAN passou a ser acionista da ABSA, passando a pertencer a um grupo de empresas cargueiras formado pelas empresas LAN Cargo, MasAir e Florida West.

Além da LAN, a ABSA também se tornou parceira da Lufthansa, o que permitiu a empresa ampliar a sua malha e sua capacidade global. Em 2005 a empresa ampliou a sua frota com a chegada do segundo Boeing 767, dessa vez novo de fábrica, com isso conseguiu realizar voos para a Europa e o primeiro destino foi Frankfurt.

Em 2009 a LAN iniciou a instalação de winglets em toda sua frota de Boeing 767, visando reduzir o consumo de combustível e a ABSA não foi deixada para trás, gradativamente a frota brasileira também recebeu os novos winglets. No ano seguinte com uma parte da pintura da LAN e o nome ABSA, chegou o terceiro Boeing 767 para a empresa já com winglets instalados.

Em 2012 a empresa foi absorvida pela TAM Cargo logo após a criação do grupo LATAM. Com isso, chegou mais um Boeing 767, porém já com as cores da TAM Cargo. Em 2014 mais uma aeronave 767 chegava nas cores da TAM Cargo, o que parecia o fim iminente da marca ABSA.

Algo que veio a ocorrer em 2016 de forma definitiva, com a unificação da marca do grupo a companhia passou a adotar as cores da LATAM Cargo. Antes disso, a companhia ainda recebeu um outro Boeing 767, porém com a marca ABSA na fuselagem. Este avião não possuía pintura, apenas o nome em sua fuselagem metalizada, para diminuir o peso e consequentemente reduzir o consumo.

No total a companhia operou seis unidades do Boeing 767 e duas aeronaves DC-8. Confira a baixo quais foram:

  • Douglas DC-8-71F // PP-ABS

  • Douglas DC-8-61F // PP-ABA

  • Boeing 767-300ERF // PR-ABB

Atualmente é a única aeronave a ostentar as cores da ABSA, foi a primeira aeronave da empresa, tendo operado na LAN como CC-CZX.

 

  • Boeing 767-300ERF // PR-ABD

Aeronave atualmente pintada com as cores da LATAM Cargo.

 

  • Boeing 767-300ERF // PR-ACG

Aeronave atualmente pintada com as cores da LATAM Cargo com matrícula N532LA.

 

  • Boeing 767-300ERF // PR-ACQ 

Boeing 767-300ER ABSA Cargo

Atualmente a aeronave voa pela STAR AIR com o matrícula OY-SRW, voou também pela LATAM Cargo como N530LA.

 

  • Boeing 767-300ERF // PR-ADY

Aeronave atualmente pintada com as cores da LATAM Cargo com prefixo N536LA, foi a primeira aeronave a receber as cores da TAM Cargo.

 

  • Boeing 767-300ERF // PR-ACO

Boeing 767-300ER TAM Cargo

Atualmente é a única aeronave que não possui as cores da LATAM Cargo, atualmente possui a pintura da TAM Cargo.

O Boeing 767 de matrícula PR-ABB foi a única aeronave que permaneceu com as cores da ABSA Cargo, no dia 26 de abril o Bravo Bravo retornou de Abu Dhabi de uma manutenção mais pesada e chegou até ser especulado por muitos que receberia a pintura da LATAM Cargo, ao pousar no Brasil foi confirmado que as cores da ABSA foi mantida e por onde passa é registrado para que em um futuro próximo seja infelizmente apenas uma lembrança.