Airbus diz que é cedo para definir o sucessor do A380

Enquanto se prepara para deixar de produzir o A380 em 2021, a Airbus declarou durante o Dubai Air Show que ainda é cedo para falar sobre um substituto do super jumbo de dois andares.

“Vemos a demanda por aeronaves de grande porte no mundo e no Oriente Médio. E essa demanda pode suportar aeronaves do tamanho do A380. No entanto, a questão é quanto, qual nível de tecnologia e a que horas?”, disse Bob Lange.

De acordo com Bob Lange, vice-presidente sênior de análise de negócios e previsão de mercado da Airbus, o Oriente Médio deve precisar de 3200 novas aeronaves até 2038, enquanto isso, no mesmo período cerca de 40% dos aviões A380 devem ser substituídos.

Existem 132 A380 operando com três companhias aéreas na região – Emirates, com 112 e Qatar Airways, e Etihad Airways, com 10 cada. A Emirates deve levar mais 11 aviões A380  até 2021.

Quando a produção do A380 terminar em 2021, a maior aeronave no estoque da Airbus será o A350-1000 de 350 a 420 assentos. O maior avião de passageiros da Boeing é o 777-9X, que pode acomodar até 426 passageiros.

Em entrevista à FlightGlobal no início deste ano, o presidente da Emirates Airline , Tim Clark, disse que a companhia enfrentaria o dilema sobre como substituir o A380 em aeroportos com restrições de slots: “Existem certas rotas em nossa rede onde temos, por exemplo, seis A380 por dia em operação. 92% de ocupação, cada um transportando 515 pessoas “, diz ele.

“Então, para onde vamos depois disso? Uma das nossas preocupações é que, quando o A380 for e ainda estamos com seis slots, teremos que colocar um 777-9 na rota, mas serão 130 assentos a menos em termos de capacidade”.


No entanto, Lange diz que a Airbus atualmente não possui um plano de sucessão do A380, em que os operadores são obrigadas a usar aeronaves de alta capacidade em face das restrições de faixas horárias nos aeroportos: “Em termos da demanda por outras aeronaves grandes no futuro, precisamos ver se isso diminui, à medida que atualmente não faz parte de nossos planos [um novo A380], porque vemos um crescimento da demanda de aeronaves menores substituindo aeronaves maiores, onde os slots não são restritos”.

 

Via – FlightGlobal

DEIXE UMA RESPOSTA