A American Airlines e a Qantas Airways implementaram sua joint-venture, projetada para otimizar as viagens transpacíficas e abrir a oportunidade para novas rotas entre a América do Norte e a Oceania.

As companhias aéreas anunciaram o lançamento da joint-venture, que foi aprovada pelo Departamento de Transporte dos EUA em julho, em um documento enviado ao DOT em 1º de novembro de 2018.

O acordo de cooperação entre os parceiros da aliança Oneworld exige que as companhias coordenem preços, vendas, planejamento e outras funções comerciais em voos entre a América do Norte, Austrália e Nova Zelândia.

Durante o processo de inscrição, a American e a Qantas posicionaram o empreendimento como permitindo que elas competissem de maneira mais eficaz em um mercado amplamente controlado por duas joint-ventures existentes: o acordo da Delta Air Lines com a Virgin Australia e o acordo da United Airlines com a Air New Zealand.

A American e a Qantas apresentaram sua proposta pela primeira vez em 2015, mas retiraram essa solicitação depois que o DOT negou o acordo com base em fatores competitivos. Eles refinaram sua inscrição em fevereiro de 2018, dizendo que fariam mais para aumentar a oferta de assentos, reduzir os tempos de viagem e melhorar a concorrência, mostram documentos do DOT. As companhias aéreas disseram que o benefício econômico de sua colaboração pode chegar a US$ 310 milhões por ano.

Em julho, após a aprovação da joint venture, o executivo-chefe da American, Doug Parker, disse que as companhias aéreas “agora têm a oportunidade de lançar novas rotas e fornecer serviços aprimorados com melhores horários, benefícios adicionais a passageiros frequentes e investimentos contínuos na experiência geral do cliente”. Ele acrescentou que as companhias aéreas pretendem adicionar novos voos entre a América do Norte e a Austrália nos próximos anos.

No início deste ano, a companhia de bandeira australiana disse que planeja lançar voos de Brisbane para Chicago e San Francisco como resultado direto da aprovação da joint-venture. Esses voos terão início em abril de 2020 e serão operados pelos Boeing 787-9.


No final de outubro, a American anunciou que lançará um serviço sazonal sem escalas de Los Angeles para Christchurch, na Nova Zelândia, além de voos diretos sazonais sem escalas entre Dallas-Fort Worth e Auckland, na Nova Zelândia. Ambas as conexões, com início em outubro de 2020, são resultado direto do acordo conjunto com a Qantas, informou a companhia aérea. A American também usará variantes do Boeing 787 para essas rotas.

 

Via – FlightGlobal