A SpaceX confirmou que tentará lançar na madrugada deste sábado a primeira cápsula Dragon Crew modificada. Esta primeira missão será totalmente no piloto automático, visto que é de certificação dos sistemas da espaçonave para viagens até a Estação Espacial Internacional (ISS), incluindo o sistema de acoplamento e aproximação.

A SpaceX declara que a próxima missão, prevista para junho/julho irá transportar astronautas, mas ainda em caráter de testes. A cápsula Dragon Crew só terá permissão para levar astronautas em missão regular à ISS a partir do 3º lançamento, mas somente se a espaçonave passar em todos os requisitos de certificação da NASA, para lançar astronautas ao espaço.

O lançamento da missão “Demo 1” será realizado usando um foguete Falcon 9 Block 5, no histórico PAD 39A, local das missões Apollo e as diversas viagens do Space Shuttle. A empresa programou uma transmissão ao vivo para 04h49 deste sábado (horário de Brasília), no vídeo abaixo.

No lançamento haverá uma tentativa de pouso do primeiro estágio do Falcon 9, em uma balsa no Oceano Atlântico.

Lembra do Starman do Falcon Heavy? Ele está aqui novamente, mas foi apelidado de Ripley. A SpaceX colocou ele dentro da cápsula como uma forma de testar o equipamento com peso, incluindo supostamente a vibração transmitida para o astronauta durante o voo, juntamente com a reentrada.

A cápsula Dragon Crew vai provavelmente acoplar com a Estação Espacial nas primeiras horas de domingo, em um procedimento automático que não depende do braço robótico utilizado pela Dragon Cargo.

O retorno da espaçonave será no dia 08 de março, pousando no mar perto da Flórida, onde será resgatada pela SpaceX.

 

Facilitando a certificação

A nave de Musk recebeu diversas alterações ao longo do projeto, para facilitar a certificação. A possibilidade de pousar na Terra assim como um foguete Falcon 9 foi descartada, devido à dificuldade de certificar a segurança desse tipo de procedimento, de forma rápida.

A espaçonave também conta com espaço para até 7 astronautas, com as devidas modificações, o painel de controle incorpora ao extremo o estilo Glass Cockpit, bem diferente dos diversos botões do Space Shuttle.

O grande destaque da cápsula Dragon Crew é manter um cronograma de desenvolvimento mais “adiantado” em relação à CST-100 da Boeing, pela metade do preço. Isso antecipa o cronograma da NASA, de forma que dependa menos da Rússia no lançamento de astronautas.