Aeronaves Aviões Frota
Aeronaves da American Airlines estacionadas em Tulsa. Foto: Nick Oxford/Reuters.

Mais uma vez a aviação está enfrentando dias sem a certeza do próximo. As viagens de final de ano fizeram com que diversos aviões de diversas companhias aéreas voassem cheios no mundo todo.

Em algumas partes do mundo, a pandemia apresentou uma queda significativa, possibilitando viagens ainda com orientações e regras. Hoje (6) na segunda onda da pandemia e talvez um pouco pior, as companhias aéreas tiveram de novamente reduzir suas malhas e estocar suas frotas temporariamente. 

Em uma pesquisa e análise mais detalhada sobre a frota mundial, a Cirium divulgou que cerca de 10.183 aviões estão estocados no mundo todo. Em operação, cerca de 21.635 aeronaves, em porcentagem isso presenta que 32% da frota mundial está sem voar. Importante ressaltar que a pesquisa foi realizada em fevereiro de 2021 e os números podem variar.

Os números por regiões mostram que: 2.937 aeronaves, cerca de 28,8% da frota na América do Norte está sem voar. Na América Latina 619 aeronaves estão estocadas, representando 6,1% da frota na região. Na Europa são 3.563 aeronaves sem voar, representando 34,7% de toda a frota.

No Oriente Médio e na África em conjunto, o número é de 1.065 aeronaves estocadas, cerca de 10,5% da frota sem voar. Já na Ásia/Pacífico o número de aeronave sem voar é de 1.956 que representa 19,2% de toda a frota. Entre os modelos que mais deixaram de voar, o Airbus A320 é o mais visto.

A tendência é de que mais aviões de grande porte sejam estocados, à medida que as restrições de viagens ainda sejam impostas e a demanda continue baixa. Por outro lado, milhares de vacinas estão sendo transportadas de um lado ao outro no mundo por empresas aéreas cargueiras, a conforme a vacinação avance a demanda poderá voltar.

Existem mercados onde a aviação está se recuperando e mostrando sinais de que será continua a recuperação. Durante a pesquisa, foi observado que os países como Estados Unidos, Austrália, Rússia e Vietnã por exemplo, mostram números de uma boa recuperação nos últimos meses.

Foto: Oliver Roesler – Lufthansa

Uma forma de representar isso é pelo número de aeronaves sem voar que é relativamente menor do que no início da pandemia em 2020. A Delta Airlines precisou cancelar diversos voos por falta de pilotos diante de uma grande demanda no feriado da Páscoa. Um outro mercado se recuperando fortemente é na Arábia Saudita, mas o mesmo não se pode dizer dos países vizinhos.

A Arábia Saudita possui um grande mercado de voos domésticos, isso ajuda a manter um bom nível de demanda e oferta no pais. Já em outros lugares como nos Emirados Árabes, onde as principais empresas não possuem uma ampla rede de voos domésticos, sofrem com a falta de demanda em viagens internacionais e mais as restrições. 

Um outro exemplo é da Singapore Airlines, que está com boa parte da frota sem voar, representando uma queda de 76,5% na oferta de assentos em relação ao ano anterior. Boa parte dos analistas não veem uma recuperação a curto prazo e que diversas aeronaves de passageiros permaneçam sem voar. 

O cenário poderá ser diferente caso a vacinação avance e coopere para reduzir os números de infectados e vitimas da pandemia de Covid-19. A aviação assim como todo o mundo espera grandiosamente pela chegada desses dias.