Foto - Austral

Depois de expandir o programa de reposição de peças junto à Embraer e ameaçar deixar de operar com os aviões E-Jet fabricados pela Embraer, a Austral 

Essa informação foi uma afirmação proveniente do próprio presidente da Aerolíneas Argentinas, Mario Dell´Acqua, que também fala pela Austral, subsidiária da companhia aérea estatal da Argentina.

A Austral opera com 26 aviões Embraer E190 atualmente, todos com 96 assentos em duas classes.

A Aerolíneas vai focar principalmente em substituir o E190 pelo novo 737 MAX 8, uma aeronave que pode levar até 199 passageiros (na configuração MAX 200) e cerca de 20% mais econômica em comparação com os 737 NG já usados pela Aerolíneas Argentinas. A companhia quer operar esses aviões com a marca Austral, que é voltada para o mercado regional.

Em um primeiro estágio o início da troca será já em fevereiro, com o 737 NG entrando no lugar do MAX. Quando a Boeing entregar mais aeronaves para a Aerolíneas Argentinas, a mesma repassará os aviões para a Austral.

Boeing 737 MAX 8 da Aerolíneas Argentinas.

A companhia teve a opção de fazer uma reconfiguração da aeronave, operando com 108 assentos em classe econômica, mas preferiu partir para o 737. A Aerolíneas Argentinas também deixou de considerar aviões regionais com custo bem menor por assento, como o Embraer E195-E2, que pode levar até 144 passageiros.

O motivo para a companhia se desfazer dos E-Jets é a configuração interna do jato, na época a Aerolíneas Argentinas queria operar voos regionais e para destinos de baixa demanda, logo a operadora configurou o E190 com duas classes e 96 assentos, porém o cenário interno mudou, e agora a Aerolíneas precisa reforçar sua presença em destinos com maior demanda, já que a companhia sofre a concorrência da Lan Argentina, Avianca Argentina e Flybondi (a partir de outubro).