Avianca Boeing 787
Foto - Boeing/Reprodução

A Avianca Colombia ainda está negociando com o Tribunal a liberação de um empréstimo estatal de US$ 370 milhões. 

O empréstimo de US$ 370 milhões seria concedido pelo governo colombiano, como forma de salvar a companhia e os empregos que dependem da mesma. O processo está se arrastando pelo menos desde meados de agosto, sendo que a promessa do governo foi realizada em maio.

A Avianca Colombia não conseguiu convencer o tribunal de que precisa desse dinheiro, apesar de alegar que é intrínseco para sua sobrevivência.

Tudo ocorreu por causa de uma ação colocada na justiça por Jonatan Ruíz Tobón, um cidadão da Colômbia. Ele disse que o empréstimo foi um “uso irresponsável de recursos públicos, que põe em risco a moralidade administrativa, o patrimônio público e a seguridade social”.

A Avianca, por sua vez, listou cinco argumentos para justificar o empréstimo, incluindo os empregos que podem ser perdidos. 

O Tribunal afirmou que o empréstimo não cumpriu os requisitos da lei durante a atual pandemia de COVID-19, e citou que a empresa está em risco, devido à Recuperação Judicial, mesmo que o Governo, como credor no Chapter 11, tenha preferência de receber o pagamento desta dívida.

A justiça colombiana não realizou até o momento uma análise final desse processo, e o empréstimo pode continuar travado, ou nem chegar no caixa da companhia.

A Avianca tem uma frota de 158 aviões, 19000 funcionários e voa para 76 destinos em 27 países da América e da Europa.

 

Outra opção e empréstimo

No último dia 22 de setembro a Avianca Holdings divulgou que entrou com recurso para que o Tribunal de Falências dos EUA aprove um outro financiamento de US$ 2 bilhões.

O financiamento da DIP consiste no empréstimo sênior (Tranche A) de US$ 1,27 bilhões e um outro empréstimo de (Tranche B) no valor de US$ 722 milhões. No mês de agosto como parte da sindicalização do empréstimo da Tranche A, a companhia firmou um acordo de suporte e reestruturação com o Grupo AD HOC.

O grupo representa boa parte das garantias seniores de 2023 da Avianca, o que vai gerar cerca de US$ 290 milhões em fundos para a empresa. Outros US$ 240 milhões foram estimulados para um acordo que permite a participação de um ou mais governos.

Os empréstimos estão sendo garantidos em cima dos ativos da Avianca como as subsidiarias de cargas, programa de milhagem e algumas marcas que a empresa detém, essas garantias são firmadas sob um penhor em todos os possíveis ativos da empresa.

O financiamento está sujeito à aprovação do Tribunal dos Estados Unidos, com audiência marcada para 5 de outubro de 2020 e outras condições habituais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA