Foto - Atlas Air

Depois de anos a Boeing deverá aumentar a taxa de produção do Boeing 767. A atual taxa de produção é de 2,5 aeronaves por mês e esse valor número deve chegar a três 767 por mês.

Com tudo a demanda por novas aeronaves não é quase nula para voos comerciais, mas é bem significativa para o cenário de carga, função que se adaptou bem a aeronave.

As principais empresas do seguimento de carga, como a UPS, Fedex, DHL e Atlas Air, estão com uma alta nos pedidos de encomendas, sites como a Amazon que é reconhecida por entregas de produtos com uma taxa rápida de entrega está cada vez mais precisando de transporte rápido para cumprir tais demandas.

KC-46A Pegasus realiza primeiro reabastecimento em caça F-35 Lighting II- Foto: U.S Airforce

O crescimento na taxa de produção do 767 também alcança o cenário militar e a USAF é um cliente em potencial. O Boeing 767 convertido para funções militares, como REVO, cujo é conhecido como KC-46A Pegasus é uma prova disso. O número de aeronaves entregas à USAF é crescente, sendo a primeira entregue em fevereiro. Marcos importantes também já foram registrados com o 767 adaptável, como o reabastecimento em um caça um F-35A, marcando assim as missões de REVO na mais recente geração de caças, que é a 5º geração.