Boeing MQ-25
Foto: Boeing/Divulgação

A Marinha dos EUA e a Boeing realizaram com sucesso as primeiras manobras do protótipo T1 do reabastecedor não tripulado MQ-25. A aeronave realizou manobras utilizando sinais direcionais de operações de bordo do USS George HW Bush (CVN 77).

Os sinais direcionais são utilizados comumente para a manobra de aviões tripulados em porta-aviões, estes são realizados pelos tripulantes conhecidos como “camisas amarelas”.

Em vez de um piloto receber os comandos, no entanto, foi um Boeing MQ-25 Deck Handling Operator (DHO) bem ao lado do “camisa amarela” que comandou a aeronave usando um novo dispositivo de controle de convés portátil.

Do outro lado um piloto controlava o MQ-25 a bordo do porta-aviões USS George HW Bush. Essa foi uma importante etapa do processo de certificação, que garante a integração do avião não tripulado “sem dores de cabeça”, como se este fosse uma aeronave com piloto.

“A Marinha tem um processo rigoroso e bem estabelecido para mover aeronaves no porta-aviões. Nosso objetivo era garantir que o MQ-25 se encaixasse no processo sem alterá-lo”, disse Jim Young, engenheiro-chefe do MQ-25. “Do projeto da aeronave ao projeto do sistema de movimentação, nossa equipe trabalhou muito para tornar o MQ-25 adequado para porta-aviões em todos os sentidos.”

A demonstração de manuseio do convés seguiu uma campanha de teste de voo de dois anos para o protótipo T1 de propriedade da Boeing, durante a qual a equipe da Boeing e da Marinha reabasteceu três aeronaves diferentes baseadas em porta-aviões – um F/A-18 Super Hornet, um E-2D Hawkeye e um F-35C Lightning II.

Boeing/Divulgação.

“A Marinha nos deu dois parâmetros-chave de desempenho para o programa – reabastecimento aéreo e integração com o convés do porta-aviões”, disse Dave Bujold, diretor do programa do Boeing MQ-25. “Mostramos que o MQ-25 pode atender a ambos os requisitos e fizemos isso anos antes dos programas de aquisição tradicionais.”

“Este é mais um passo significativo na demonstração da integração do MQ-25 na Carrier Air Wing na cabine de comando dos porta-aviões de nossa frota”, disse o Capitão Chad Reed, gerente do programa de Unmanned Carrier Aviation. “O sucesso deste evento é uma prova do trabalho árduo de nossos engenheiros, testadores, operadores e da estreita colaboração e equipe da Força Aérea Naval do Atlântico e da tripulação a bordo do CVN 77.” 

A Marinha dos Estados Unidos pretende adquirir mais de 70 aeronaves MQ-25 para ajudar a estender o alcance da asa aérea do porta-aviões, e a maioria delas será construída em novas instalações dedicadas ao projeto.

DEIXE UMA RESPOSTA