Boeing oferece aos funcionários possibilidade de demissão voluntária

Foto - Boeing/Reprodução

A Boeing declarou nesta quinta-feira (02/04) que abriu um programa de demissão voluntária aos funcionários da empresa, visto que novos dados de demanda apontam para uma retração na entrega de novos aviões nos próximos anos.

“Quando o mundo emergir da pandemia, o tamanho do mercado comercial e os tipos de produtos e serviços que nossos clientes desejam e precisam provavelmente serão diferentes”, afirmou o CEO da Boeing, David Calhoun, em mensagem aos 161000 funcionários da Boeing na quinta-feira. “É importante começarmos a nos adaptar à nossa nova realidade agora.”

Embora a empresa ainda não tenha alterado os planos de produção, está analisando de perto as taxas de fabricação de aviões widebody em meio à queda na demanda, disse uma pessoa familiarizada com o assunto.

A Boeing já estava planejando fabricar menos aviões do modelo 787 Dreamliner neste ano e ainda está avaliando o mercado em rápida mudança e os problemas de saúde pública, à medida que o surto destrói a demanda de viagens e agride as companhias aéreas.

Com os casos de COVID-19 se aproximando de 1 milhão no mundo todo, não há como saber quando as companhias aéreas terão de volta a mesma demanda registrada antes da crise.

A Boeing, Embraer e Airbus esperam uma redução drástica na entrega de novas aeronaves neste ano de 2020, e as projeções deixaram de ser as melhores para os próximos anos.

“Por mais doloroso que seja, a Boeing precisa reduzir trabalhadores”, disse Nick Cunningham, analista da Agency Partners, com sede em Londres, acrescentando que os salários representam a maior parte dos custos fixos da empresa. “Se não, você destruirá a empresa.”


Vale ressaltar que a Boeing já enfrentava, antes da crise, uma paralisação na linha de produção do 737 MAX, implementada em janeiro de 2020, devido à falta de espaço para estocar mais aeronaves que estavam sendo produzidas, porém sem possibilidade de entregar esses aviões aos clientes.

As ações da Boeing Boeing caíram 60% neste ano, a maior queda na Dow Jones Industrial Average.

 

DEIXE UMA RESPOSTA