Nesta quarta-feira o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) realizou a aprovação de nova joint-venture entre a Azul Cargo e os Correios, sem nenhuma restrição.

O acordo já tinha sido aprovado em dezembro de 2018, pela Superintência-Geral do Cade, mas dois recursos travaram novamente a aprovação da joint-venture.

O tribunal negou dois recursos apresentados pela LATAM e GOL, relativos ao serviço dos Correios que ficará concentrado nas mãos da Azul, pelo menos na parte de transporte aéreo. A decisão de dezembro foi mantida como a final.

“A baixa participação da Azul nesse mercado afasta preocupações concorrenciais”, disse o conselheiro relator, Maurício Maia, sobre os recursos apresentado pelas outras companhias.

 

A Joint-Venture entre a Azul Cargo e os Correios

Firmada no dia 20 de dezembro de 2017, e sujeita a essa aprovação de hoje para iniciar as tramitações, a joint-venture entre a Azul e os Correios englobam uma participação de 50,01% da Azul e 49,99% dos Correios na nova empresa.

Desse modo a Azul ficará responsável pelo transporte aéreo da carga, enquanto os Correios serão responsáveis pelo transporte terrestre. A modalidade de transporte aéreo já era exercida anteriormente pelos Correios, mas através de contratos com empresas terceirizadas, como a Sideral e as companhias aéreas tradicionais, como a LATAM e GOL.

Essa co-participação de outras companhias aéreas foi até um entrave na aprovação do acordo entre as duas empresas, com protestos da LATAM e GOL ao CADE, que se tornaram públicos depois. As companhias reclamavam de um possível monopólio na operação dos Correios.

“Vimos uma oportunidade ímpar para fazer o Brasil ganhar um serviço de logística ainda mais eficiente, com claros benefícios ofertados para os consumidores. O início dessa empresa beneficiará os brasileiros, uma vez que com ela, além de conseguirmos reduzir substancialmente os atuais custos com transporte logístico dos Correios, receberemos os dividendos desse negócio, aumentando ainda mais a eficiência de nossa operação”, disse Guilherme Campos, presidente dos Correios, no ato do anúncio do memorando de entendimento em 2017.

Interior de um Boeing 737-400F da Azul Cargo.

A expectativa de ambas as partes é transportar mais de 100 mil toneladas de carga por ano, para isso a Azul pensa em alugar mais aeronaves cargueiras para a frota da Azul Cargo, atualmente a companhia já opera com dois aviões Boeing 737-400F (foto acima), com capacidade de transportar até 20 toneladas por voo.

A Azul também quer usar sua rede de voos regulares para atender a demanda de transporte de carga, ao utilizar o porão das aeronaves, possibilitando atender mais de 100 cidades através de ligação aérea.