Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

Boeing 737 MAX Cayman Airlines Caribe
Foto: Boeing

A Cayman Airlines do Caribe, recebeu mais um novo Boeing 737 MAX diretamente da fábrica em Seattle. Está é a primeira entrega para a companhia aérea caribenha desde a retomada de voos com o 737 MAX. O novo avião chega através de um contrato de leasing com a Air Lease Corp (ALC).

Seus primeiros aviões do modelo chegaram no final de 2018 e em 2019, pouco antes da suspensão de voos. A companhia adquiriu os novos aviões visando a substituição completa de seus antigos Boeings 737-300, que atualmente a empresa conta com 2 aeronaves com uma média de 25 anos de uso.

“Temos muita sorte e agradecemos por ter a ALC como nossa locadora de aeronaves enquanto nos aposentamos e substituímos nossas antigas aeronaves B737-300 pelo novo modelo de aeronave B737 MAX 8. A ALC foi selecionada pela Cayman Airways em 2016 após um processo de licitação pública e, posteriormente, demonstrou um forte compromisso em trabalhar com a Cayman Airways nos mais difíceis desafios do setor ”, disse Fabian Whorms, Presidente e CEO da Cayman Airlines.

“A ALC tem a honra de trabalhar com a Cayman Airways, a companhia aérea nacional das Ilhas Cayman, para modernizar a frota da companhia aérea e expandir sua rede de rotas”, disse Steven F. Udvar, Presidente Executivo da Air Lease Corp.

“A nova tecnologia dos 737 MAX 8 promoverá os objetivos de longo prazo da companhia aérea, fornecendo tecnologia avançada, conforto para os passageiros e economia de combustível.” Completou.

O retorno das operações com o Boeing 737 MAX no Caribe foi aprovado no dia 27 de janeiro, no mesmo dia em que o Reino Unido também autorizou. A Cayman Airlines foi a primeira companhia aérea em todo o mundo a retirar de operação o 737 MAX, quase que imediatamente após o acidente com o avião da Ethiopian em março de 2019.

Diante do cenário de crise, a companhia aérea vai conseguir reduzir significativamente seus custos operacionais além da economia de combustível. O novo jato consome pelo menos  15% a menos de combustível em relação a família 737 Classic, além de reduzir também em pelo menos 350 mil emissões de CO2.