Foto Via - Joon

O novo CEO da Air France, Ben Smith, está considerando encerrar as operações da Joon, uma nova marca criada pela companhia

Para Smith, não há um posicionamento claro da marca Joon no contexto do Grupo Air France, durante vários meses desde que assumiu o cargo ele vem combatendo a ideia da principal bandeira francesa ter uma companhia que não faz sentido.

O foco da companhia será trabalhar como a KLM para atingir uma meta de rentabilidade, só em 2017 a companhia aérea holandesa conseguiu uma margem de lucro de 8,8%, enquanto a Air France atingiu somente 3,7%.

A companhia não deve focar neste momento em criar novas marcas, nem entra no competitivo mercado Low Cost, de acordo com Smith, agora a Air France precisa enxugar custos e tentar obter bons resultados financeiros, enquanto controla os seus tripulantes para evitar mais greves que venham a manchar a imagem da companhia.

As greves no início deste ano eliminaram 335 milhões de euros (US $ 381 milhões) dos lucros da Air France.

“A intenção de se livrar de Joon seria compreensível”, disse Andrew Lobbenberg, analista do HSBC. “Você tem um negócio totalmente novo criado com toda a complexidade e custo, só para conseguir um punhado de pessoal de cabine barato – isso não é racional.”

Enquanto isso tripulantes da Joon não gostaram tanto de ter o mesmo modo de operação da Air France mas ganhar um salário menor na Joon, e já ameaçam com uma nova greve.

Por enquanto não é possível saber o que a Air France fará com as aeronaves que teoricamente seriam direcionadas para a Joon, como os aviões A350 e os antigos A340.

 

Via – Reuters