Aeronave Comac C919

De acordo com um recente estudo da fabricante estatal chinesa COMAC, a China vai precisar de 10344 novas aeronaves até 2038, para apoiar o rápido crescimento do tráfego aéreo no país, um dos maiores do mundo atualmente nesse quesito.

Essa demanda por novas aeronaves corresponde a 21% da projeção global realizada pela COMAC.

A COMAC ressaltou que na China há 3854 aeronaves atualmente, e o salto representa um crescimento de quase 270%. Atualmente, a China possui a terceira maior frota do mundo, atrás da América do Norte e da Europa.

A COMAC estuda essa demanda pois vai posicionar na próxima década seus dois novos produtos, o C919, um avião de corredor único que concorre com o Airbus A320neo e o 737 MAX, além do CR929, que vai atender o mercado de 250 a 330 assentos. A COMAC já comercializa e entrega o ARJ 21.

Projeto do CR929.

Ao todo esse montante de 10344 novas aeronaves tem o valor total de pelo menos US$ 1,42 trilhão, essa deve ser a quantia que o setor de aviação chinês vai injetar na indústria até 2038, uma oportunidade e tanto para as fabricantes.

A COMAC consegue uma boa ajuda do governo chinês, visto que consegue melhores condições de financiamento das suas aeronaves, para as companhias chinesas, e deve no futuro ter uma grande participação nesse crescimento de 10344 aviões. Só para o C919, que será entregue a partir de 2021, a empresa tem 1008 encomendas e intenções de compra, todas a partir de empresas da China.

A Boeing afirma que o país precisará de 8.090 novas aeronaves comerciais nos próximos 20 anos, além de US$ 1,6 bilhão em serviços relacionados ao transporte aéreo de passageiros.


 

Via – FlightGlobal